Menu
Segunda-feira | 18/12/2017 « Voltar
Coluna 05/10/2017

Do princípio ao fim da vida

A Semana da Vida (01 a 07 de outubro) e Dia do Nascituro (08 de outubro), foi instituídos pela 43ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em 2005. Este ano de 2017 o lema é “Bendito é o fruto do teu ventre”(Lc 1,42b). É ocasião especial para colocar em evidência o valor e beleza desse DOM PRECIOSO QUE RECEBEMOS DE DEUS. De modo especial, salientamos o valor sagrado da vida humana, em todas as suas dimensões. Diante de tantos ataques que a vida vem sofrendo em nossos dias, é missão do cristão e da Igreja reafirmar sua importância inestimável e inegociável. A vida é o fundamento sobre o qual se apoiam todos os demais valores. O dia 8 de outubro de cada ano é dedicado aos nascituros em homenagem ao novo ser humano, à criança que ainda vive dentro da barriga da mãe.

“O ser humano que é gerado no ventre de uma mulher, com a participação de um homem, não é fabricado por aquele homem e aquela mulher, não é um produto que eles produzem, é sempre uma criatura de Deus. O homem e a mulher são apenas instrumentos de uma vontade criadora infinitamente maior, a vontade de Deus, que nos quer, e quer a nossa vida” (Dom Petrini, Bispo de Camaçari, BA). Anos atrás estávamos eu, meu filho Jardel e minha irmã Rosane em um retiro na Comunidade Oásis, Caxias do Sul e em um momento de folga após o almoço fomos caminhar pelos arredores do bairro Pedancino, interior daquela cidade, onde está localizada a Comunidade Oásis. Era um terreno gramado que ladeava uma pequena capela perto do cemitério local. Para nossa surpresa, ao abrirmos o portão e entrarmos no gramado, os pássaros quero-quero nos atacaram, não querendo nos deixar entrar.

A vizinha do local então nos chamou a atenção dizendo que eles estavam defendendo os ninhos com seus filhotes ou ovos, que colocaram naquele lugar. Eles foram veementes nesta defesa, ao ponto de nós desistirmos de entrar ali. Parei para refletir: Nós, seres humanos, em nome da liberdade, matamos nossos embriões no ventre materno, lugar mais protegido da face da terra, onde naturalmente somente a força de Deus pode mexer Faço aqui uma homenagem a tantas mães que ao saberem que seus bebês nascerão com anomalias físicas ou mentais, levam sua gravidez até o fim, acreditando na vida e deixam vir ao mundo estes seres mais que especiais, anjos mensageiros de paz e alegria, como a Amanda (mãe Vanda), o Aloisio (mãe Angelita), o Jardel ( meu filho), a Débora ( mãe Marli) e tantos outros.

O descompromisso com a vida começa nas relações sexuais imaturas e impulsionadas pela educação dita liberal nas escolas e em casa, onde as crianças e os adolescentes são precocemente levados a uma erotização que descaracteriza sua natureza pura, onde geram vidas em épocas que não condizem com sua maturidade e acabam por cometer abortos, mutilando seus corpos e carregando o peso da culpa, pois não nascemos para matar. Jovens e adultas, em nome do sexo livre e de carências pessoais, acabam resolvendo “tudo” com a pílula do dia seguinte, que mata sim os embriões e cuja sequelas são as depressões, nos remete ao remorso e a culpa.

Nosso grito pela vida deve ser urgente e público e como Madre Teresa dizer: “Se você não quer o seu filho, dê para mim”, mais não o mate em nome da razão e do medo, amparar as gestantes e aplaudir a vida, seja ela vinda de gestações seguidas, quarto ou quinto filho, mães solteiras, ou onde fluir a seiva do amor de Deus. Respeitemos também a finitude da vida, não rejeitando os idosos doentes, senil, e nem desejando abreviar nossos dias, pois cremos que todos estão contados no plano de Deus, como nos diz o Livro do Eclesiastes 3,1: “Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus: Tempo para nascer e tempo para morrer”.


Denise M. Peixer Safanelli

« Voltar
Jornal do Vale do Itapocu - Tel.: (47) 3275-0633 | 3371-1182 - Rua 25 de Julho, 1936 - Jaraguá do Sul - SC Desenvolvido por Empresadois