Menu
Sexta-feira | 24/05/2019 « Voltar
Coluna 28/02/2019

Mãe com açúcar

Ser mãe é quase uma instituição. As mulheres que convivem com a maternidade e seus desafios sabem que tudo muda quando nasce um bebê na família, independente do gênero. É criada uma ligação para toda a vida, transcendental. Refiro-me aqui, obviamente, às mães que se sentem profundamente ligadas aos filhos e que se sentem completas por “maternarem”.

É claro que o papel das mães, em amamentar, proteger e educar, se transformou nas últimas décadas, com a busca cada vez mais crescente pelo conhecimento e sucesso na carreira. O tempo com os pequenos diminuiu e o grande desafio é conciliar os papéis de mãe, mulher e profissional. A luta pelo espaço no mercado de trabalho e na vida segue. Ainda há muito a ser conquistado.

As jornadas duplas e triplas costumam sobrecarregar, principalmente as que criam os filhos sozinhos e são as únicas provedoras do lar. Está aí o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que confirma: a cada censo é constatado um aumento no número de domicílios em que a única fonte de renda das famílias provém do trabalho feminino. Essas cidadãs, que suprem a lacuna deixada por pais ausentes, são verdadeiras heroínas anônimas e, muitas vezes, invisíveis para a sociedade.

E quando o tempo vai passando e os filhos crescem? Eles geralmente ganham asas e partem, seja para morarem sozinhos, ou para formarem um novo ninho. Ser mãe é quase uma instituição. As mulheres que convivem com a maternidade e seus desafios sabem que tudo muda quando nasce o bebê, independente do gênero...

E chega o momento em que essa mãe, ao alcançar a maturidade, passa a ser avó. É como se ocorresse uma volta no tempo, um vasculhar na memória, com a diferença de que esse neném, por quem nos encantamos, não foi concebido no ventre dessa mulher. Mesmo assim, ela se sente “mãe” de novo, só que de outra forma.

Há poucos passei a vivenciar essa experiência indescritível ao me tornar avó da pequena Luna, que chegou para iluminar e dar um novo sentido à vida. Agora entendo bem o sentimento de uma “avó babona”. É como ser “mãe com açúcar”...


Sônia Pillon

« Voltar
Jornal do Vale do Itapocu - Tel.: (47) 3275-0633 | 3371-1182 - Rua 25 de Julho, 1936 - Jaraguá do Sul - SC Desenvolvido por Empresadois