Menu
Segunda-feira | 18/12/2017 « Voltar
Notícia . Especiais 30/01/2015
Acervo do Museu Municipal Carlos Lampe de Rio Negrinho. Numa redoma de vidro, se encontram parte das ossadas humanas encontradas no Abrigo Rückl/Cemitério dos Botocudos no final da década de 80 do século passado. Estas ossadas foram doadas pela Associação Amigos do Museu (Carlos Lampe).

Abrigo Rückl/Cemitério dos Botocudos - Última parte 3/3

(uma das primeiras e importantes descobertas arqueológicas da região norte de Santa Catarina no final do século XIX). Parte final

No mês de novembro de 1962, o arqueólogo e historiador catarinense Walter Fernando Piazza, publicou seus estudos arqueológicos feito em várias regiões de Santa Catarina no início da década de 60 do século passado e publicado nos “Anais do III Simpósio dos Professores Universitários de História – ANPUH. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Franca - SP, novembro 1965”. Esta referência bibliográfica também se encontra em “Estudos históricos, Edições 5-6” /Departamento de História, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Marília - SP, publicado em 1966, página 270. Sobre o cemitério dos botocudos (batizado por Walter F. Piazza como “Abrigo Rückl”), o mesmo faz um rápido resumo deste local nas página 444, 446 e 461:

Trecho da página 444:
“Levantamento de gruta no município de Rio Negrinho (abrigo Rückl)”
Trecho da página 446:
“E, finalmente, em 1962 - novembro - visitamos e fizemos uma pequena trincheira-teste num abrigo sob rocha, na localidade de Cêrro Azul, município de Rio Negrinho, onde colhemos ossadas humanas e conchas fluviais: assinalâmo-Ia como "Abrigo Rückl ", em homenagem ao proprietário das terras onde se encontra.”
Trecho da página 461:
7. - Coleção Teodoro Saade, Mafra. Possui um pequeno museu de curiosidades, onde se encontram peças arqueológicas. Nesta coleção encontram-se materiais coletados em sítios arqueológicos de Santa Catarina, como o Abrigo "Rückel".

Observações: Infelizmente, não foi possível descobrir se ainda existe a coleção Teodoro Saade na cidade de Mafra/SC e se a mesma possa ser encontrada em algum museu ou universidade daquela cidade ou região. Sobre o local ser também classificado como sambaqui fluvial (além de sítio cemitério em abrigo sob rocha), atualmente não foram detectados vestígios de conchas de água doce na camada superficial do solo cinzento. O que se tem confirmado na questão das ossadas humanas extraídas do Abrigo Rückl/Cemitério dos Botocudos até o presente momento é que parte destas se encontram expostas numa redoma de vidro no Museu Municipal Carlos Lampe da cidade de Rio Negrinho.

Pra encerrar este trabalho sobre o estudo histórico e arqueológico do Abrigo Rückl/Cemitério dos Botocudos na localidade de Cerro Azul em Rio Negrinho, cerca de 20 quilômetros de distância deste lugar entre o divisor de águas das bacias hidrográficas do Rio Negro com o rio Itajaí-Açú na localidade de Alto Pedra Preta ou Itaperuna que pertence ao município de Rio dos Cedros, se encontra dentro de uma propriedade particular a Cachoeira e Gruta do Índio.

Segundo relatos orais dos moradores daquela localidade, nos primeiros anos de colonização italiana entre o final do século XIX e início do século XX, o local servia de abrigo para os índios botocudos. Certo dia, um caçador ao se deparar com um destes índios neste local, acabou matando na beira do Rio das Pacas (uma das nascentes do rio dos Cedros), logo abaixo da cachoeira e gruta que deu nome ao lugar. Até os dias de hoje, uma cruz de madeira fincada numa gruta próximo da cachoeira, mostra o local onde o índio botocudo estaria sepultado.


Referências bibliográficas:

Anais:
Piazza, Walter Fernando. Anais do III Simpósio dos Professores Universitários de História. Simpósio dos professores universitários de história. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Franca – SP, 3-7 de novembro, 1965. Páginas 444, 446 e 461.
Disponível pra download: http://anpuh.org/anais/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S03.16.pdf

Dissertação:
Wegner, Patrícia Zimmermann. Caracterização dos recursos naturais e uso do solo da área de proteção ambiental da represa do alto Rio Preto, Rio Negrinho – SC. Editora UFSC, Florianópolis-SC, setembro, 2000. Páginas 73, 74, 82, 115, 118 e 128.
Disponível pra download: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/78517/174937.pdf

Jornais:
Gazeta Paranaense. Anno X. Nº 82. Curitiba-PR. 11/04/1886. Página 3.
Disponível pra download: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=242896&pagfis=3098
Gazeta Paranaense Anno X. Nº 85, Curitiba-Pr. 16/04/1886. Página 3.
Disponível pra download: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=242896&pagfis=3110

Livros:
Sociedade Amigos de Joinville, Álbum histórico do centenário de Joinville, 1851-1859. Primeira edição. Março, 1951. Página 86.
Estudos históricos. Departamento de História, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Marília – SP. Edições 5-6. Dezembro, 1966. Página 270.
Stulzer, Frei Aurélio. O Primeiro livro do Jaraguá. Editora Vozes, 1973. Páginas 14 e 284.
Kormann, José. Rio Negrinho que eu conheci. 1980. Páginas 46, 60, 61 e 186.
Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina. Revista. Edição 18. 1999. Página 111.

Mapas:
Mapa de São Bento (2º Districto da Colônia Dona Francisca/Província de Santa Catharina). 1879. Arquivo Histórico de São Bento do Sul – SC. Mappa Geral das medições de terras do Patrimônio Dotal de S.S. A.A. Imperiais Os Senhores Conde e Condessa D`Eu compreendendo uma área de quarenta e três e uma terça léguas quadradas situado entre os rios: Itapocú, Jaraguá, Rio Preto e outros nas províncias de Paraná e Santa Catarina / medido pelos engenheiros Dr. Daniel Henninger, Jourdan e Fernando Oppitz organizado e desenhado por Fernando Oppitz (segunda versão deste mapa copiada por Paulo Bustamanty em 1921). 1886. Mapoteca do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro – RJ.
Folha topográfica do I.B.G.E. - Represa Alto Rio Preto (SG-22-Z-A-VI-2). 1980.
Disponível pra download: http://portaldemapas.ibge.gov.br/portal.php#mapa16065


Sobre o Autor:
Fabio Krawulski Nunes: Pesquisador autodidata da história e arqueologia do vale do rio Itapocu. Escreveu vários artigos a respeito no Jornal do Vale do Itapocu entre o final do ano de 2009 até o final do ano de 2011, divulgando antecipadamente o livro que pretende lançar em breve. Recentemente, seu projeto audiovisual em parceria com a Fundação Cultural de Jaraguá do Sul foi lançado oficialmente na Câmara de Vereadores na cidade de Barra Velha/SC no dia 14 de novembro de 2014, através do documentário histórico e arqueológico intitulado “Redescobrindo o Itapocu”. No decorrer do ano de 2015, estará disponibilizando este projeto audiovisual para as instituições de ensino do vale do rio Itapocu e cidades próximas.


Legenda das fotos:

Foto 01, mostra a cachoeira do Índio com 35 metros de queda livre.

Foto 02, mostra a gruta com a cruz de madeira onde estaria sepultado o índio botocudo. O lugar fica nas coordenadas geográficas (GPS) 26°33`48.22"S/49°31`36.54"W, estando aproximadamente 900 metros acima do nível do mar. O acesso se dá pela estrada geral Alto Pedra Preta, distante 45 quilômetros de Rio Negrinho e 105 quilômetros de Jaraguá do Sul (via BR 280).

Foto 03, Parte da folha topográfica do I.B.G.E. da Represa Alto Rio Preto (1980). A seta da esquerda mostra o local exato do Abrigo Rückl/Cemitério dos Botocudos na localidade de Cerro Azul em Rio Negrinho. A seta da direita mostra o local exato da Cachoeira e Gruta do Índio na localidade de Alto Pedra Preta ou Itaperuna em Rio dos Cedros.


Fabio Krawulski Nunes - Pesquisador autodidata da história e arqueologia do Vale do Rio Itapocu - safarijow@gmail.com


« Voltar
Jornal do Vale do Itapocu - Tel.: (47) 3275-0633 | 3371-1182 - Rua 25 de Julho, 1936 - Jaraguá do Sul - SC Desenvolvido por Empresadois