Menu
Segunda-feira | 10/12/2018 « Voltar
Notícia . Política 11/10/2018
Divulgação

Cadeiras da Câmara Federal serão ocupadas por 31 partidos

Dos 35 partidos com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 31 elegeram deputados federais em 7 de outubro, um recorde no histórico das eleições para este cargo em todos os tempos. Na atual legislatura, que se encerra em dezembro, apenas 25 partidos estão representados na Casa. Por ordem decrescente, em 2014, eram 28 partidos; em 2010, 22; em 2006, 21; em 2002, 19 e em 1998, 18. O PT, com 56 (um de SC) e o PSL, com 52 (quatro de SC), terão as maiores representações nos próximos quatro anos.

As outras maiores bancadas serão do PP (37), MDB (34) e PSD (34). O MDB, até então detentor de 66 vagas, ficou com apenas 34. No sentido contrário, o PSL conquistou 51 vagas contra apenas um deputado eleito em 2014. Numa eleição em que menos da metade dos deputados conseguiu a reeleição (incluindo os que disputaram outros cargos, como em Santa Catarina) o PSDB, com a terceira maior bancada eleita em 2014, agora é apenas a nona no cômputo geral, com 25 deputados.

Ainda comparando com 2014, só o PRTB não elegeu ninguém.

MDB* 34 66 -32
PSDB 29 54 -25
PTB 10 25 -15
PT 56 69 -13
PSC 8 13 -5
PV 4 8 -4
PROS 8 11 -3
PSD 34 36 -2
PSB 32 34 -2
SD 13 15 -2
PPS 8 10 -2
PP 37 38 -1
PR 33 34 -1
PCdoB 9 10 -1
DC 1 2 -1
PRTB 0 1 -1
PMN 3 3 0
PTC 2 2 0
PHS 6 5 +1
PRP 4 3 +1
PPL 1 0 1
PATRI 5 2 +3
PSOL 10 5 +5
Avante 7 1 +6
PODE 11 4 +7
DEM 29 21 +8
PRB 30 21 +9
PDT 28 19 +9
PSL 52 1 +51
Novo 8 (não concorreu em 2014) -
Rede 1

CLÁUSULA DE BARREIRA

Rede, Patriota, PHS, DC, PCdoB, PCB, PCO, PMB, PMN, PPL, PRP, PRTB, PSTU e PTC são os partidos penalizados pela chamada cláusula de barreira, aprovada em 2017 pelo Senado como parte da minirreforma política, aplicada pela primeira vez a partir desta eleição. Assim, a partir de 2019, estes 14 partidos ficam ficar sem tempo de propaganda gratuita no rádio e na TV, perdendo o direito, também, de usufruir da verba do fundo partidário.

Essa norma exige que os partidos somem pelo menos 1,5% dos votos para a Câmara dos Deputados em nove estados e o mínimo de 1% dos votos em cada um deles. Ou, então, que elejam ao menos nove deputados em nove Estados. A projeção do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é que na próxima eleição o número de partidos afetados pela cláusula deva aumentar. Isso porque já nas eleições de 2022, a exigência deve ser de 2% dos votos e 11 deputados eleitos. Também a partir da próxima eleição (vereadores), em 2020, os partidos serão afetados pelo fim das coligações proporcionais.

Que passará a valer nas eleições gerais de 2022 para cargos legislativos (deputados federais e estaduais), exceto para senador, considerado como cargo majoritário equivalente às funções executivas (prefeitos e governadores). Para não desaparecerem, a saída para os partidos atingidos pela cláusula de barreira é a fusão. Porém, a maioria deve recorrer judicialmente para tentar impedir a aplicação das novas regras.


« Voltar
Jornal do Vale do Itapocu - Tel.: (47) 3275-0633 | 3371-1182 - Rua 25 de Julho, 1936 - Jaraguá do Sul - SC Desenvolvido por Empresadois