Estadual

3ª fase da Operação Alcatraz é deflagrada e ex-secretário de SC é um dos alvos

O ex-secretário já era investigado pela operação e tinha sido alvo de prisão preventiva, de mandado de busca e apreensão em outras fase das investigações

14/10/2021

Por

Jornalista apaixonada por cultura e segurança pública

3ª fase da Operação Alcatraz é deflagrada e ex-secretário de SC é um dos alvos

Divulgação/JusCatarina

Nesta quinta-feira (14), a Polícia Federal juntamente com o Ministério Público Federal deflagraram a terceira fase da Operação Alcatraz, que investiga supostos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. 

A ação batizada de “Obstrução”, cumpre cinco mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva. As diligências aconteceram em Florianópolis e em São José. 

Um dos mandados de prisão preventiva, tem como alvo o ex-secretário-adjunto de Administração de Santa Catarina, Nelson Castello Branco Nappi Junior.

O ex-secretário já era investigado pela operação e tinha sido alvo de prisão preventiva, de mandado de busca e apreensão em outras fase das investigações. Ele cumpria prisão domiciliar. 

Entre os alvos da operação, estão três residências e uma empresa familiar de um investigado. Também houve bloqueio de bens dos suspeitos de participarem do esquema. 

De acordo com a PF e o MPF, o foco da terceira fase é evitar ações dos investigados que pudessem atrapalhar o andamento do processo. Além disso, os investigadores querem colher novos elementos de provas.

A ação, que foi autorizada pela Justiça Federal da Capital, é resultado do que foi apurado nas apreensões e investigações de outra fase da Alcatraz, deflagrada em janeiro deste ano e denominada como “Hemorragia”.

Investigação

Segundo a PF, o inquérito da ação desta quinta, teve início após a apreensão de bens, documentos e equipamentos eletrônicos na casa de um dos envolvidos na operação “Hemorragia”. 

As provas colhidas, segundo os agentes, mostraram que há fortes indícios de que o investigado continuava envolvido com a prática de crimes, especialmente lavagem de dinheiro. 

Apesar de preso desde a primeira fase da operação, o indiciado, segundo a PF, contou com auxílio da esposa. Em coletiva, o procurador da República, Alisson Nelício Cirilo Campos, informou que a mulher era responsável por buscar valores com terceiros para quitar despesas. Ela deve responder por lavagem de dinheiro, obstrução e corrupção.

“É importante deixar bastante claro que não foi uma participação eventual da esposa. A esposa somente foi alvo dessa ação porque ela participou ativamente”, disse Campos.

Nos telefones apreendidos na segunda fase, a Polícia Federal encontrou conversas que demonstravam que os investigados contavam com auxílio externo para busca de valores com terceiros para quitação de dívidas. 

Quer saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região primeiro? CLIQUE AQUI e participe do nosso grupo de WhatsApp! 

Notícias relacionadas

x