Cultura,Geral,Schroeder

Centro de Memória é inaugurado na antiga prefeitura de Schroeder nesta segunda-feira (28)

Foto: Odila Pavanello Brugnago/JDV

Por: Flávio José Brugnago

A Prefeitura de Schroeder entregou na tarde desta segunda-feira (28), o Centro de Memória - Schroeder, criado em julho por meio de lei aprovada pela Câmara de Vereadores.

O Centro de Memória foi instalado no prédio da antiga prefeitura, na rua Marechal Castelo Branco, nº 3201, onde estava instalada a Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Turismo que foi transferida para o Centro de Ensino Técnico e Educacional Werner Ricardo Voigt.

A construção adquirida em 1970 da família Jahn para se transformar em paço municipal, de relevante caráter histórico, cultural e arquitetônico, vai guardar, a partir de agora, a memória e a história de Schroeder, como citou o prefeito Osvaldo Jurck no ato de entrega.

Banners com fotos históricas confeccionados por ocasião dos 50 anos do município, além de objetos e mobiliário fazem parte do acervo inicial.

"Esse Centro de Memória será o precursor do futuro Museu Municipal de Schroeder. A nova administração, que assume no dia 1º de janeiro, certamente dará sequência. Todo o conjunto dessa construção é carregado de história e o seu uso ajudará na melhor compreensão do passado de Schroeder", mencionou Osvaldo.

Ele mencionou que na sua gestão foi estruturada toda a legislação voltada à cultura.

Foto: Odila Pavanello Brugnago/JDV

O professor e historiador Ademir Pfiffer participou do ato de entrega e comentou sobre o livro "De Schrödertrasse a Schroeder", que já está pronto e pré-impresso, devendo estar concluído em algumas semanas. O período natalino e a necessidade de tempo para produção das capas atrasou a entrega.

Pfiffer relatou um pouco da rica história da Schrödertrasse, a partir de 1895, com fatos que poucos conhecem. A sua pesquisa começou em 2005, com a primeira entrevista com o ex-prefeito Ludgero Tepassé, o primeiro prefeito eleito.

"Foram dezenas de registros orais, pesquisas em arquivos e fontes oficiais e também o uso das ferramentas digitais que possibilitaram reunir imagens, documentos e depoimentos inéditos sobre Schroeder", comenta o historiador.

O livro com cerca de 1,9 mil páginas terá três partes e 41 capítulos. Para a representante da Educação, Elisa Andreia da Silva de Assis, o livro será uma rica fonte de pesquisa para professores e estudantes.

"Hoje temos informações muito esparsas sobre a história do nosso município". E completou: "Esse Centro de Memória também será muito importante para melhor compreensão da nossa história".

Foto: Odila Pavanello Brugnago/JDV

No ato de entrega do Centro de Memória - Schroeder, foi descerrada placa em frente a construção histórica, como também o totem com QRCode, onde via celular é possível acessar informações sobre ele.

Conheça a história do prédio que agora abriga o Centro de Memória

A família Jahn de origem alemã se instalou em Schroeder no ano 1938, vinda da região de Brüderthal - Joinville. Paulo Jahn inicialmente comprou uma serraria de Ricardo Voigt e Senhor Volles, localizado no bairro Duas Mamas.

Após iniciar as atividades da serraria Paulo Jahn observou que a atividade era promissora e poderia crescer no negócio. Em 1949 acabou vendendo terras na região de Joinville que lhe foram dadas como herança e adquiriu o imóvel de 118.782 m² que na época pertencia à família Trapp.

No mesmo ano, Paulo Jahn viu a necessidade da construção de uma moradia neste terreno, pois precisava dar um novo lugar a sua família e também tirar o sustento por meio da agricultura.

A casa teve seu primeiro tijolo levantado por Augusto Lemke, responsável pelo projeto e execução da obra.

Foto: Odila Pavanello Brugnago/JDV

Participaram também na obra Amandos Lemke, o filho de Paulo Jahn (Paulo Jahn Jr.) e Werner Ricardo Voigt (que anos mais tarde fundaria a Weg com Eggon João da Silva e Geraldo Werninghaus) que fez a instalação de toda a rede elétrica da casa. A residência teve sua obra finalizada no mesmo ano.

A partir do ano de 1949 que a família Jahn buscou sua subsistência por meio da serraria e principalmente da agricultura, onde se destacava o plantio de milho, batata, aipim, cará, cana-de-açúcar e até um engenho para produção de melado.

Tinham ainda animais como marrecos, patos, galinhas caipiras, porcos-do-mato, pacas, antas, veados, gados, cavalos e uma série de animais que preenchia o espaço da propriedade.

No ano 1970 o imóvel foi vendido para a Prefeitura de Schroeder, em que o prefeito Aldo Romeo Pasold e Helmuth Hertel (encarregado do Expediente) assinaram o documento de compra para então oficializar o imóvel como Prefeitura de Schroeder.