Cultura,Geral

Gramofone de Werner Voigt integra acervo do Museu em Jaraguá do Sul

O Museu Emílio da Silva recebeu uma importante contribuição para o seu acervo: um gramofone. O aparelho é uma invenção do alemão Emil Berliner de 1888, que servia para reproduzir som gravado utilizando um disco plano, em contraste com o cilindro do fonógrafo de Thomas Edison. O gramofone doado pertenceu ao Werner Voigt e foi doado no mês de maio pela família Voigt.

O mesmo já faz parte do acervo da sala temática Imagem e Som, no Museu Emílio da Silva.

Leia mais:

Aumenta o número de pacientes recuperados do novo coronavírus em Jaraguá do Sul

 

O que é o Gramafone?

É um disco giratório coberto com cera, goma laca, vinil, cobre, entre outros onde são gravadas por uma agulha, as vibrações de um som emitido e afunilado em uma corneta, interligada a uma lâmina (membrana) que sustenta a agulha. Com a emissão do som o ar movimenta-se vibrando a lâmina que faz a agulha riscar em forma de ondas a superfície do disco que está girando.

De forma inversa, ao girar o disco já riscado, com outro tipo de agulha em contato, esta o lerá e transmitirá as vibrações para a lâmina (membrana), cuja vibração, amplificadas pela corneta, fará emitir o som.