A minha época de escola era assim!

Claudio Piotto

Professor Pesquisador, Mestre em Educação, Especialista em Planejamento Educacional e Docência do Ensino Superior, Historiador e Pedagogo. Entusiasta da Educação.

Ver artigos

O ano era 1997

Minhas lembranças de hoje me levam a 1997, ano que comecei a lecionar na Escola Estadual Erich Gruetzmacher, no bairro Três Rios do Sul. Essa escola estava com sua construção ainda em andamento, seria inaugurada em julho do mesmo ano. Com o início das aulas, dividíamos com os trabalhadores da construção civil o espaço escolar, inclusive suas participações nos ambientes para realizar pintura, ajustes de janelas, iluminação, portas; barulho de construção era normal. O ambiente era de um canteiro de obras com aulas, nada que atrapalhasse as mesmas. Trago essa memória para contextualizar com o pensamento que o ambiente escolar não é um local de enclausuramento, que o aprendizado não se limita a um ambiente fechado ou mesmo de silêncio total. A escola ainda sem toda a estrutura, possuía um espaço para prática de esportes e aulas de Educação Física, que em muitos momentos era frequentado pelo gado da vizinhança, por estar em um local que, naquele tempo, ainda era considerado interior do município. Trago as lembranças de uma escola onde passávamos o dia, as famílias eram presentes, existia uma comunidade que atuava em prol da escola e da Educação. Saudades de um tempo em que o trabalho era como estar em casa, saudades do cafezinho da Dona Regina e dos alunos que nos esperavam chegar na escola para conversar e hoje, feliz por ver que esses alunos prosperaram.

 

Afetividade nas memórias escolares

É comum em reuniões de famílias e pessoas mais experientes rememorarem sua época de escola, ficam felizes e orgulhosos em contar suas experiências e suas aventuras. Nesse pensamento saudosista, escrevo sobre duas matérias escolares que não fazem mais parte do currículo, mas marcaram gerações de brasileiros. Memórias contam quem somos e revivê-las nos esclarece sobre quem somos.

 

OSPB - Organização Social e Política Brasileira

Se você tem mais de quarenta anos, vai lembrar de suas aulas de OSPB, essa matéria foi incluída no currículo do segundo grau (atual Ensino Médio) em 1969 e um dos principais objetivos era o de valorização e conhecimento dos símbolos nacionais como forma de identificação e aceitação do sistema de governo do período. A exaltação da pátria, aceitação sem questionamento, faziam parte do desenvolvimento dessa matéria, trazia a ideologia de um país perfeito, sendo personalizado nos heróis criados para essa representação. Essa matéria marcou uma geração e buscou de sua maneira contribuir para a melhoria do país através da Educação. Uma das características era conhecer e cantar os hinos pátrios, símbolos pátrios e comemorar suas datas, reunindo-se enfileirados para ouvir um dos hinos, hastear as bandeiras, ouvir poesias, encenações e os jograis. Lembranças de nossa História, de nossa identidade.

 

EMC - Educação Moral e Cívica

Junto com OSPB, substituiu as matérias de Filosofia e Sociologia; carregada de um viés ideológico, trazia as questões familiares e organização da vida social em suas matérias. Buscou introduzir no país modelos de ensino importados de países com economias liberais e estado de controle. Entre essas disciplinas temos a Economia Doméstica, Educação para o Lar, Latim e Técnicas Comerciais. A História serve para nos mostrar que fizemos parte de algo. Cabe a nós escolhermos o que queremos relembrar e passar adiante!