Adriano Silva será, pode-se afirmar desde já, o único prefeito eleito do país pelo partido Novo

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 68 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

Está resolvido 1

Nem mesmo em Minas Gerais o governador Romeu Zema (que esteve em Joinville nesta semana) eleito em 2018 com 70,1% dos votos validos, conseguiu sequer eleger um único prefeito em três cidades onde o Novo disputou a majoritária. Inclusive na capital Belo Horizonte, onde o candidato do partido foi o quinto colocado (45 mil votos).

Silva tem 54,9% das intenções de voto na pesquisa estimulada feita pelo Instituto Paraná, contra 29,7% do deputado Darci de Matos, do PSD.

Em Jaraguá do Sul o Novo elegeu dois vereadores, com direito a contratar assessores, pagos com dinheiro público, mediante lançamento de edital. Deveriam abrir mão, já que a bandeira do partido é a de não usar esse tipo de recurso.

Está resolvido 2

Em Blumenau o prefeito Mário Hildebrandt (Podemos), há dois anos no cargo herdado do ex-prefeito tucano e hoje no PSD, Napoleão Bernardes, também lidera com muita folga sobre o ex-prefeito e ex-deputado federal João Paulo Kleinübing (DEM).

O mesmo Instituto Paraná de Pesquisas confere a Hildebrandt 70,6% dos votos válidos e 29,4% para o filho do ex-governador Wilson Pedro Kleinübing. Que também foi prefeito de Blumenau e senador.

Saco sem fundo

O rombo com a previdência dos servidores públicos estaduais de SC, ou seja, a parte que o Estado não recolhe integralmente, vai bater na casa dos R$ 5,2 bilhões em 2021.

Por isso mesmo, do orçamento para o ano que vem, R$ 1,6 bilhão já estão destinados a cobrir uma parte do buraco financeiro que se criou ao longo dos anos, pondo em risco as aposentadorias e pensões.

Em maio do ano passado eram 70.983 servidores aposentados e outros 61.556 trabalhando. Uma conta que não fecha.

Só coincidência?

Com um crescimento vertical de contaminados, pintando o mapa de Santa Catarina de um vermelho rubro, o grande risco não está apenas na disponibilidade de leitos de UTI exclusivos para pacientes com a Covid-19.

Há, também, grande carência de profissionais capacitados para operar estes leitos - médicos e enfermagem, por exemplo - em todos os hospitais do estado, mesmo em alguns onde a ocupação ainda não preocupa.

Essa explosão do vírus se deu dez dias das eleições de domingo (15), aliado a multidões de irresponsáveis em praias, festas e por aí vai, seria uma mera coincidência?

Sobre vacinas

Na próxima quarta-feira (2), deputados e senadores de SC participam de audiência (online) com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Que esclarecerá dúvidas sobre a participação de cinco laboratórios na produção de vacinas para a Covid-19 já em fase avançada de desenvolvimento.

Os parlamentares com assento no congresso querem ter informações sobre as premissas necessárias à compra, como segurança, eficácia, capacidade de produção em escala, oferta para inserção no Programa Nacional de Imunizações e preços.

Quem sai? 1

Há quem aposte que Santa Catarina terá novo governador a partir de segunda-feira (30). Ou seja, a volta do governador afastado, Carlos Moisés (PSL), cujo julgamento final sobre suposto crime de responsabilidade na concessão de reajuste salarial aos procuradores do Estado, em outubro do ano passado, por ato administrativo e não em projeto de lei com aprovação dos deputados.

Começa às 9h na Assembleia Legislativa sem hora para acabar.

Moisés sinaliza a líderes do PSD e MDB que deseja um governo de coalizão. Traduzindo, para ficar de pé aceita lotear cargos do primeiro escalão.

Quem sai? 2

A governadora interina, Daniela Reinher (sem partido) revogou o ato administrativo de Moisés, com base em parecer do Tribunal de Contas e já derrubado pelo Tribunal de Justiça na quarta-feira (25), garantindo o benefício aos procuradores.

Mas, determinou uma investigação interna para levantar todos os passos da concessão do benefício. Serão precisos sete votos de dez possíveis para cassar Moisés. Mas, apenas quatro contra a cassação para que reassuma o cargo.