Moisés investe mais de R$ 30 milhões em instrumentos musicais sem especificar o número de instrumentos, de que tipo e quais as escolas beneficiadas

Celso Machado

Nascido em Blumenau, 68 anos, 53 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).

Ver artigos

Dando pano pra manga a compra de instrumentos musicais para escolas estaduais autorizado pelo governador Carlos Moisés (PSL). No valor de R$ 31 milhões, procedimento que precisa de aprovação da Assembleia Legislativa. É que no projeto- e parece ser uma falha constante no quesito comunicação governo/deputados- não está explicitado o número de instrumentos, de que tipo e quais as escolas beneficiadas. “É preciso respeito com o dinheiro público”, bradou o deputado Marcius Machado (PL). Se não bastassem os dois processos de impeachment, Moisés está arrumando mais confusão.

O desembargador Ricardo Roesler, presidente do Tribunal Especial de Julgamento, marcou para o dia 23 de outubro a sessão para discussão e votação do relatório, entregue pelo deputado Kennedy Nunes (PSD) sobre a denúncia por crime de responsabilidade contra Carlos Moisés da Silva (PSL) e a vice Daniela Reinehr (sem partido). No caso do reajuste salarial dos procuradores do Estado. A sessão começa às 9 horas, no plenário da Assembleia Legislativa.

“The Heartbreaker”, ou “Destruidor de Corações”, é um filme estrelado pela atriz Giovanna Antonelli e produzido em 2008, com estreia prevista para 2011, mas que nunca foi exibido nas telas dos cinemas. Mas, teve repasse de R$ 1,2 milhão do governo de Santa Catarina (algumas cenas foram rodadas no Estado), que nunca mais viu a cor do dinheiro. Agora, 12 anos depois, o Ministério Público pede a devolução do dinheiro (corrigido), além de penalidades para os empresários e agentes públicos (servidores estaduais) envolvidos na falcatrua. O governador, à época, era Luiz Henrique da Silveira (MDB), que no mesmo ano se elegeria senador.

Acreditando-se nos discursos de alguns candidatos a vereador, a impressão é de que Jaraguá do Sul não tem prefeito, tamanha é a lista de “realizações” que apresentam para o eleitor. A Via Verde, por exemplo, projetada de forma empírica há cerca de 12 anos, mas que só recentemente saiu do papel, já tem vários “pais” de olho em uma das vagas da Câmara. Hipocrisia explícita de quem, possivelmente, fez menos que a obrigação que o cargo impõe.

Ora, qual é o mérito de se usar dinheiro público em obras? O mérito está, sim, em quem manda executar e este não é exatamente o papel, na prática, de vereadores, secretários e diretores de órgãos da prefeitura. O mérito cabe a quem faz um pouco mais com o mesmo dinheiro. O mérito está em ideias inovadoras, exequíveis e não no discurso fácil, enganador.

Há outros que, disputando vagas na Câmara, mais parecem candidatos a prefeito tamanha é a mirabolância das propostas impressas no material de campanha, sempre acrescidas de certa “competência” pessoal. Então, que o eleitor saiba: ao vereador cabe pedir e aos secretários e diretores a tarefa executar obras e serviços desde que o prefeito ordene. Quem disser o contrário, mente!

Projeto de lei prorrogando por mais um ano o contrato com professores temporários da rede estadual de ensino que lecionam no ensino fundamental e médio, Educação de Jovens e Adultos no ensino regular e educação profissionalizante, já está na Assembleia legislativa. O secretário da Educação, Natalino Uggioni, disse que isso vai beneficiar 21 mil professores temporários, com um impacto financeiro estimado em R$ 513 milhões ao longo de 2021, incluindo 13º salário e férias. Apesar disso, no projeto de lei, a secretaria da Administração garante que não haverá aumento de gastos para os cofres públicos. A decisão foi tomada por não haver tempo hábil para novo processo seletivo devido a pandemia do novo coronavirus.

O juiz Gustavo Henrique Aracheski determinou ao Facebook que a página “Fritz Otário” fosse devidamente identificada, revelando a sua verdadeira autoria. A página está ativa desde 17 de junho de 2020. É especializada em produção de fake news, conteúdos agressivos, sarcásticos e com acusações aos adversários políticos. O autor? Jean Carlos de Carvalho, filiado ao Partido Novo e cuja mulher, Thatiana de Carvalho, é candidata do partido a vereadora. Mas o diretório municipal, ao admitir que não pode haver anonimato neste tipo de publicação, disse ter analisado o conteúdo sem identificar nenhuma mentira ou agressão verbal a outros candidatos.