Colunas

Coluna: As lições do Patrono

Paulo Freire, que hoje completaria 100 anos, não foi uma unanimidade, mas inegavelmente deixou uma contribuição robusta na pedagogia do país

19/09/2021

Por

Sônia Pillon é jornalista e escritora, formada em Jornalismo pela PUC-RS e pós-graduada em Produção de Texto e Gramática pela Univille. É Presidente de Honra da ALBSC Jaraguá do Sul.

Coluna: As lições do Patrono

A Educação instrui e possibilita um leque de possibilidades. A partir do conhecimento, o indivíduo se sente mais preparado para interagir e se conectar com o mundo. Ter acesso a um ensino de qualidade pode ser determinante na escolha da profissão e no desempenho profissional. É trilhar pelo caminho da esperança: a virada de chave entre a exclusão e a inserção no competitivo mercado de trabalho.  Afinal, não podemos esquecer que hoje o Brasil ainda soma cerca de 11 milhões de analfabetos!

Muito mais do que ensinar o letramento e alfabetizar, educar é despertar consciências, levar ao questionamento, ao discernimento. Um cidadão que desenvolve senso crítico terá menos chance de ser manipulado, ludibriado, inclusive na hora de eleger candidatos. Ingenuidade não combina com sobreviver na selva.

E por que levantar essa pauta agora? É que justamente hoje o educador e filósofo Paulo Freire, apontado como “Patrono da Educação Brasileira”, completaria 100 anos e o seu legado não pode ser ignorado, pela contribuição robusta na área pedagógica do país.

Preciso deixar claro de que não sou adepta de radicalismos ideológicos. Acredito no livre pensamento e defendo que ideias devem ser discutidas com argumentos, respeitando diferenças e sempre visando o bom senso. Por isso, acredito que para defender, ou criticar a obra de Freire, é preciso pesquisar e analisar para embasar uma opinião. “Seguir a boiada” dessa ou daquela corrente ideológica, com certeza não é a melhor solução.

Amado por uns e odiado por outros, o recifense Paulo Reglus Neves Freire nasceu em 19 de setembro de 1921 e faleceu em 2 de maio de 1997. Enquanto viveu, questionou e lançou novas luzes no ensino tradicional. Foi ele que inovou e adaptou o processo de alfabetização à rotina e à realidade dos alunos, especialmente no ensino de adultos, e esse mérito é inegável.

Paulo Freire é considerado um dos pensadores mais destacados da pedagogia mundial, influenciador do movimento denominado “pedagogia crítica”, tanto que 35 universidades internacionais o concederam o título de “doutor honoris causa”. E que apesar de ser uma referência do ensino-aprendizagem, ele não era formado em Pedagogia, nem tinha mestrado ou doutorado em Educação…

Partiu de Freire a ideia de que o ensino não deve ser engessado, e que tanto o aluno como o professor aprendem um com o outro. Uma de suas frases mais célebres atribuídas a Paulo Freire é: “Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção, ou a sua construção”.

Pessoalmente, defendo que temos a oportunidade de aprender todos os dias, e que é preciso se manter aberto aos novos saberes, sempre. Evoluir é preciso.

Notícias relacionadas

x