Colunas

Coluna: Vai com quem?

Afinal, o MDB vai para o embate em chapa pura, como defendem algumas lideranças do partido?

07/10/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Coluna: Vai com quem?

Divulgação

Se o prefeito Antidio Lunelli for indicado pelo MDB para disputar o governo do Estado, como se posicionará o Podemos? Até porque o diretório estadual da sigla presidida em Jaraguá do Sul pela chefe de gabinete de Antidio, Emanuela Wolff, já lançou a pré-candidatura do prefeito de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira.

Afinal, o MDB vai para o embate em chapa pura, como defendem algumas lideranças do partido? Ou seria temeroso ignorar outras forças políticas que podem compor alianças consistentes, com o Podemos indicando o vice?

Moisés sem pressa

Sem filiação partidária desde julho, o governador Carlos Moisés vai recuperando a desgastada imagem política e administrativa dos desastrados dois primeiros anos de governo, quando escapou por pouco de uma cassação do mandato.

Com a arrecadação de impostos nas alturas, Moisés nada de braçada. Governando com apoio escancarado do MDB, PP, PSD e PSDB, partidos que somam 17 dos 40 deputados estaduais na Assembleia Legislativa.

De algozes a beija-mão

Ironicamente, todos estes partidos já com pré-candidatos à sucessão do próprio Moisés, o tratavam, nos palanques de 2018, com escárnio, até.  Mas, agora, “comem na mão”, como diz o adágio popular. Nada de novo.

É o toma lá, dá cá, que dispensa escrúpulos ou coisa que o valha quando o foco é o autobenefício político. Moisés aponta para possível filiação em um “partido neutro”, visando manter a base de apoio na Assembleia pelo maior tempo possível.

Auxílio desvirtuado

Ministério da Cidadania está notificando 627 mil pessoas em todo o país para que devolvam, voluntariamente, valores do auxílio emergencial direcionados pelo governo a pessoas em situação de vulnerabilidade afetadas pela pandemia da Covid 19.

Essas pessoas- sem escrúpulos, diga-se- são avisadas por mensagens pelos números 28041 e 28042. Na primeira etapa deste procedimento, até dia 21 de setembro, a União havia recuperado R$ 40,6 milhões.

Gente sem caráter

Em SC e só no âmbito do serviço público municipal, 8.486 servidores de 254 prefeituras embolsaram indevidamente R$ 11 milhões conforme mostra relatório do Ministério Público de Contas e Controladoria-Geral da União.

Eles estão sujeitos a punições por crime de falsidade, além de punições administrativas. Porque também são ladrões do dinheiro público. Mas, como cabe ao município a iniciativa de punir, vai esperando. Vai esperando!

Só direitos?

Menores de 18 anos não são obrigados a ter título de eleitor, ou votar. Em SC, mostra levantamento do Tribunal Regional Eleitoral, 320 mil jovens com idades entre 16 e 17 anos não têm títulos.

Em 2018, isso daria para eleger cinco deputados federais com sobras de votos. De 2016 até 2020, o percentual de eleitores nestas idades caiu 53%. Desinteresse evidente. Mas não se furtam em gritar por direitos em movimentos das ruas ou pelo facebook da vida.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, em Santa Catarina existem mais de de 2,4 milhões de cães (não incluídos os animais de rua) que vivem em mais da metade das unidades habitacionais.

Foi o que levou o deputado Kennedy Nunes (PTB) a propor projeto de lei para facilitar a vida das pessoas que não têm veículo automotor e que residam longe de hospitais veterinários e clínicas.

Pela proposta, os animais podem ser transportados em ônibus intermunicipais, trens e metrôs (SC ainda não tem estes dois últimos modais de transporte). Sem que isso ofereça riscos à saúde de outras pessoas. Leis idênticas já existem no Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo.

Notícias relacionadas

x