Geral

Exigências da Vigilância Sanitária à produção de leite é repudiada

Foram feitas várias exigências para que os produtores continuem trabalhando. Entre elas está a implantação de um banheiro para limpeza de materiais e roupas utilizados no momento de tirar o leite

05/12/2019

Por

Exigências da Vigilância Sanitária à produção de leite é repudiada

O vereador Ademar Winter denunciou na Câmara que no final de semana a Vigilância Sanitária do Estado de Santa Catarina proibiu alguns agricultores de Jaraguá do Sul de continuarem produzindo leite da forma como é feito hoje. Segundo ele, foram feitas várias exigências para que os produtores continuem trabalhando. Entre elas está a implantação de um banheiro para limpeza de materiais e roupas utilizados no momento de tirar o leite.

Winter explica que os trabalhadores terão que usar jaleco, lavar as vacas com produtos específicos e ainda instalar a esterqueira a 40 metros de distância do local onde é retirado o leite. Além disso, será preciso adquirir novos tanques de refrigeração, já que os frízeres utilizados atualmente foram julgados impróprios para armazenamento. Com isso, os agricultores terão que readequar totalmente os galpões e as estruturas de suas propriedades, tendo de investir bastante dinheiro para continuar a produção.

O parlamentar classificou a situação como vergonhosa e advertiu que algumas dessas famílias vivem da produção de leite há mais de quatro décadas. “Há 40 anos não tinha bactéria, agora tem?”, indaga. Winter lembra que o leite é vendido pelos produtores por cerca de 60 centavos o litro e que por isso não há condições de os produtores arcarem com todas essas despesas. “Vão ter que trabalhar 10 anos só pra pagar isso daí”, critica.

O vereador pretende fazer uma moção de apelo para que o governador Carlos Moisés interceda na questão e quer o auxílio da Secretaria de Abastecimento Rural de Jaraguá do Sul. Ele ainda afirma que essas exigências não ajudam em nada os agricultores, ao contrário, só pioram a situação de um setor da economia que já sofre muito com a burocracia e com a regulamentação.

Notícias relacionadas

x