Geral

Família faz campanha para ajudar paciente com câncer metástico em progressão

Sandro Kons precisa de quatro doses de IPILIMUMAB, que custa em média R$ 35.000,00 cada aplicação

22/06/2019

Por

Família faz campanha para ajudar paciente com câncer metástico em progressão

Em 15 de maio de 2018, Sandro Luis Kons, 51 anos, descobriu que estava com câncer. Tudo começou a partir do surgimento de uma verruga nas costas até que foi crescendo desproporcionalmente. Kons procurou ajuda médica e foi diagnosticado com melanoma metastático (câncer em várias partes do corpo). De acordo com a esposa de Sandro, Leonir Ramos (Léo), o marido logo começou a quimioterapia, porém o procedimento teve efeito contrário, matando as células boas e fortificando as ruins. A família em acordo com a junta médica optou por fazer radioterapia e iniciou o tratamento com o Nivolumabe, que é um medicamento caríssimo, mas com a ajuda voluntária de uma advogada conseguiram que fosse cedido pelo governo. A medicação custa em média R$ 18.000,00 por aplicação.

A esposa de Sandro, Léo Ramos, conta que  geralmente o paciente sofre um piora de 20% em relação ao seu quadro clínico com o uso do Nivolumabe para em seguida melhorar, mas no caso do marido ele só adoeceu, não melhorou posteriormente com o uso da medicação. Isso fez com que ele tivesse três metástases no cérebro. “Tivemos que paralisar o tratamento para remover as metástases. Na cirurgia só conseguiram remover duas, a terceira estava muito profunda. Retornamos novamente a radioterapia com 20 sessões para queimar esse tumor que ficou e para poder diminuir os linfonodos”, conta Léo.

Infelizmente ao final da radioterapia a médica percebeu que só o Nivolumabe não surtiu efeito e então indicou uma nova tentativa com outro medicamento, o IPILIMUMAB, que custa R$ 35.000,00 cada dose. Sendo assim,  a nova esperança para Sandro Kons seria a junção do NIVOLUMABE com o IPILIMUMAB,  mas este segundo medicamento foi negado judicialmente pelo estado,  pelo preço do tratamento em torno de R$ 55.000,00 a cada 15 dias, o equivalente a R$110.000,00 mensais. A família teve que escolher entre um ou outro. Optaram por continuar recebendo o NIVOLUMABE pelo governo (que sozinho não faz efeito) e decidiram comprar o IPILIMUMAB, que são apenas quatro doses, porém caríssimas.

O resultado desses dois remédios dá a Sandro 45% de chance de ter uma sobrevida de qualidade. A família e a médica responsável pelo caso estão acreditando nessas medicações. “Mesmo se fosse 1% de chance, estaríamos tentando”, emociona-se Léo.

Para levantar recursos para a compra da medicação, os familiares fizeram uma vaquinha online. Se você puder e quiser ajudar, entre em contato pelo telefone: (47) 9 9638-3725 ou depositar na seguinte conta corrente:  

Caixa econômica Federal

Conta número 21873-1

Agência 3077

Operação 013

CPF 537.020.509/49

Ou também pelo site da Vakinha na internet:

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/todosporsandroluis?utm_campaign=facebook&fbclid=IwAR3ZVBap08C2MMTgFYpv94eJhsFKlzHtQqeZ-pYcstVOrhnBic5YRdbZYeE

Notícias relacionadas

x