Colunas

Mais dinheiro para SC

Santa Catarina é o Estado que mais receberá recursos do orçamento do governo federal em 2022 na área de infraestrutura rodoviária

12/10/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Mais dinheiro para SC

Santa Catarina é o Estado que mais receberá recursos do orçamento do governo federal em 2022 na área de infraestrutura rodoviária. No total, o Estado foi contemplado com R$ 272.974.064 milhões da União. Quem garante é o senador Esperidião Amin (PP), creditando o fato a “uma luta incessante da bancada federal”. A distribuição dos recursos (o quanto para cada obra) ainda não está definida, mas os investimentos contemplam as rodovias BRs-282,285, 163, 280 e 470.

Vendedores de docinhos

Estamos há um ano das eleições de outubro de 2022, mas a postura demagógica de postulantes a cargos eletivos, já está em prática. O senador Jorginho Mello (PL), um dos nomes fortes para governador, ataca de homem de origem humilde e pobre (e não só ele). Na foto em sua página do Facebook, exibe cesta com docinhos que, disse, vendia para ajudar nas despesas de casa quando menino. Na verdade, há milhares por aí, com fome, vendendo docinhos, mas com chance zero de saírem do estado de pobreza.

Aposentadoria para deputados

Nos projetos enviados à Assembleia Legislativa concedendo aumentos salariais para todas as categorias, inclusive cargos comissionados (que não são efetivos), estende o benefício da aposentadoria suplementar aos deputados estaduais. Um verdadeiro “jabuti”. A repercussão negativa fez com que os membros da Comissão de Constituição e Justiça, Trabalho e Finanças da Assembleia adiassem o relatório marcado para dia 26 de outubro.

Silêncio na oposição

Chama a atenção o fato de nem mesmo deputados de oposição sistemática ao governador se manifestarem contra. A Comissão, por exemplo, é presidida por Milton Hobus (PSD), crítico contumaz de Moisés. Só para saber: suas excelências não são servidores públicos, são agentes públicos sem qualquer vínculo empregatício com o Estado. O projeto da aposentadoria complementar prevê a contrapartida do governo (recursos públicos).

Moisés, Podemos e PP

Sem divulgação de fotos e na surdina, o governador Carlos Moisés abalou-se para Brasília na sexta-feira (8) para uma conversa com a presidente nacional do Podemos e deputada federal, Renata Abreu (SP), sobre possível filiação dele ao partido. Paulinho Bornhausen, presidente de honra do Podemos em SC, soube do encontro só depois, em telefonema da deputada. Em setembro o Podemos já havia definido a candidatura do prefeito de Balneário Camboriú, Fabricio Oliveira, à sucessão de Moisés. Além do próprio Paulinho a senador.

Bornhausen irritado

Sobre a possível filiação de Moisés, Paulinho Bornhausen avaliou o Podemos como um partido “leve e sem manchas. E, mais, que a sigla não teria nenhum interesse no governador. “Se Moisés estiver de um lado, nós estaremos do outro”, garantiu. Ainda em Brasília, Moisés conversou, também, com Ciro Nogueira, presidente nacional do PP.  Nos bastidores fala-se abertamente sobre a filiação dele no PP, com aval do senador Esperidião Amin e com quem já teve várias conversas (foto acima). Republicanos e Moisés também “namoram”.

Conselho vai decidir

Já o prefeito de Blumenau, Mario Hildebrandt, que esteve com um pé no anunciado “Aliança Pelo Brasil”, e que era tido como o novo partido do presidente Jair Bolsonaro, preside um conselho político do Podemos, criado recentemente para definir as candidaturas majoritárias para 2022: governador, vice e senador. Onde há fumaça, há fogo, diz o adágio popular. Hildebrandt e Paulinho Bornhausen são egressos do PSB, um partido aliado dos governos de Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT).

Notícias relacionadas

x