Colunas

Os desafios da atividade jornalística

Ser jornalista exige dedicação, responsabilidade e coragem, pela exposição constante dos profissionais na busca pela notícia. A prática do Jornalismo registra uma época, tanto que é fonte obrigatória de consulta para historiadores e pesquisadores, no resgate de fatos históricos.

03/02/2021

Por

Os desafios da atividade jornalística

Profissão Repórter. Não, não estou tratando aqui do programa brasileiro que apresenta temas diversos em um grande canal de televisão. O enfoque aqui é outro e vai além do que o público assiste na telinha, ou confere nas redes sociais.

Me refiro à atividade jornalística em si. Do desafio em informar, desvendar, denunciar, conscientizar e contribuir para que a sociedade civil se posicione e pressione por mudanças, sempre que necessário.

Portanto, o foco aqui não é o poder corrosivo das fake News, que disseminam a desinformação com propósitos mal-intencionados. Tampouco dos que não honram a profissão. Estou falando dos que desempenham o ofício com ética e comprometimento social. E nesse momento em que lutamos para vencer a pandemia do coronavírus, a atuação dos jornalistas na divulgação de informações é fundamental.

Ser jornalista exige dedicação, responsabilidade e coragem, pela exposição constante dos profissionais na busca pela notícia, esteja onde estiver. Dependendo de onde se trabalha, é atuar em plantões, deixando em segundo plano, muitas vezes, datas comemorativas, festas em família e até a vida pessoal. Ações que fazem parte da rotina de quem leva a sério e é apaixonado pelo que faz, nesse caso, a prática do Jornalismo. É registrar uma época, tanto que as publicações resultam em fonte obrigatória de consulta, para historiadores e pesquisadores, no resgate de fatos históricos.

Mas fazer parte do Quarto Poder tem seu preço. Se tornou rotineiro ver repórteres sofrerem constrangimentos, agressões verbais e físicas, no Brasil e no mundo. Nos casos mais graves, perdem a vida.

Como jornalista que por décadas atuou na cobertura de diversas editorias, em veículos impressos de circulação estadual e regional, sigo acompanhando a cobertura dos profissionais da Comunicação e seus desdobramentos.

Me chamou a atenção o recente relatório da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), que identificou um aumento nos índices de violência contra jornalistas em 105,77% em 2020. O documento foi apresentado no Fórum Social Mundial. Foi o índice mais violento no país desde a década de 1990.

Fica o manifesto pela liberdade de imprensa no exercício da profissão. Respeito, acima de tudo.

Notícias relacionadas

x