Economia

Pandemia afastou mulheres do empreendedorismo, diz Sebrae

A pandemia afetou não só a participação feminina no empreendedorismo, mas no mercado de trabalho como um todo

12/07/2021

Por

Jornalista apaixonada por cultura e segurança pública

Pandemia afastou mulheres do empreendedorismo, diz Sebrae

Após crescimento da participação feminina no cenário do empreendedorismo nacional no período entre 2016 e 2019 – o número de mulheres à frente do próprio negócio subiu de 8,2 para 9,9 milhões, uma alta de mais de 20% –, a pandemia da Covid-19 trouxe retrocesso a essa realidade. Segundo dados do Sebrae, em 2020, essa participação registrou queda de 13%, o que significa que o país tem agora 8,6 milhões de empreendedoras.

Leia mais

Além da crise econômica decorrente da pandemia, os motivos para a desistência de 1,3 milhão de empreendedoras passam por outros aspectos da vida dessas mulheres que também foram afetados ao longo do último ano. Com a família em isolamento social, muitas precisaram passar mais tempo cuidando dos filhos e da casa, restando menos oportunidades para se dedicarem ao trabalho.

A pesquisa Estatísticas de Gênero – Indicadores sociais das mulheres no Brasil, divulgada este ano pelo IBGE, retrata essa realidade. O estudo apontou a disparidade entre as horas dedicadas por homens e mulheres às tarefas domésticas. Enquanto a média semanal do público feminino é de 20,4 horas, a do masculino é de 11 horas.

A pandemia afetou não só a participação feminina no empreendedorismo, mas no mercado de trabalho como um todo. De acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério da Economia, o país encerrou 2020 com a criação de 199.351 vagas de emprego ocupadas por homens. Na análise das oportunidades que foram preenchidas por mulheres, o saldo foi negativo em 111.567.

Quer saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região primeiro? CLIQUE AQUI e participe do nosso grupo de WhatsApp!

Notícias relacionadas

x