Colunas

POLÍTICA & POLÍTICOS

Escárnio – No governo de Dilma Rousseff (PT), o Brasil concedeu um empréstimo de R$ 1 bilhão via BNDES para a construção do Porto de Mariel (inaugurado em 2014), pela Odebrecht, em Cuba. Porém (sempre tem um porém) como garantia temos charutos cubanos, isso mesmo, toneladas de charutos cubanos! Leia mais…

19/09/2019

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

POLÍTICA & POLÍTICOS

O grande escárnio!

Em sigilo até hoje, uma operação financeira de R$ 1 bilhão tornada pública esta semana pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social, registra as condições excepcionais do empréstimo para a construção do Porto de Mariel (inaugurado em 2014), pela Odebrecht, em Cuba, no governo de Dilma Rousseff (PT): prazo de 25 anos, com quatro de carência, mais spread de 3,5 % a.a. com parcela à vista de apenas 15% do valor total. Como garantia, charutos cubanos, Isso mesmo, toneladas de charutos cubanos! Com prazo de 60 meses (mais de sete anos). Assim, contratualmente, os charutos começam a chegar em 2021.

As placas- Ventos mais fortes, que arrancam até a cobertura de postos de combustíveis, não raro também levam consigo placas de publicidade, nem sempre mal afixadas como pode parecer à primeira vista. Não poucas, porém, estão por todo canto, digamos que dependuradas nas paredes de lojas ou em estruturas pra lá de frágeis. E, aí, saem voando até se chocarem com o patrimônio alheio. E quem fica com o prejuízo causado por uma excepcionalidade da natureza? Foi o que motivou o vereador Jaime Negherbon (MDB) a pedir revisão de capítulo do Código de Posturas onde constam as regras atuais.

Mil filiados- O PTB de Jaraguá do Sul, presidido pelo vereador Marcelindo Grunner, também presidente da Câmara, programou para o próximo dia 28 à noite, na Sociedade Aliança (Rio Cerro II) uma macarronada. Com expectativa de reunir 500 pessoas, entre lideranças, filiados e simpatizantes do partido. Que chegou à milésima filiação a ser anunciada na mesma noite.

Férias- Câmara de Vereadores de Joinville discute proposta para pôr fim às férias de julho. Vereador Natanael Jordão (PSDB), autor do projeto, diz que isso impede que o Legislativo, por 15 dias, discuta problemas da comunidade. No Vale do Itapocu, essa folga de meio de ano nas câmaras foi banida faz um tempo. Perguntar não ofende: e nas escolas, qual é a justificativa?

Previdência- Meia mudança não resolve. A frase é do governador Carlos Moisés (PSL) já proferida incontáveis vezes quando indagado sobre a Reforma da Previdência. Moisés defende a inclusão de estados e municípios, todos (ou quase) arrombados com as previdências dos servidores. E é por isso mesmo que a proposta do governo está parada no Senado.

Um rombo- Para se ter uma ideia do tamanho do “dragão” previdenciário dos estados, os números de SC são espantosos. Todo mês o governo transfere R$ 350 milhões (em valores atuais) para o Instituto de Previdência do Estado. Ou cerca de R$ 4,2 bilhões durante o ano. Mas tudo depende de aprovação da Câmara dos Deputados.

Submundo- Os números foram divulgados pelo coronel Carlos Alberto Araújo Gomes: em SC a polícia apreende o equivalente a um cigarro de maconha por segundo e, a cada três segundos, uma “carreira” de cocaína, só para falar de duas das drogas mais consumidas. O que dá bem uma ideia do universo de zumbis que andam por ai.

Repercussão- A agressão cometida contra policiais de Jaraguá do Sul por um motorista flagrado alcoolizado e que estaria dirigindo de modo a pôr a vida de terceiros em risco, repercutiu na Assembleia Legislativa. Entre outras manifestações, a deputada Ana Campagnolo (PSL) registrou “a disciplina e o excelente comportamento dos policiais militares. Você pode ver (em vídeo) o preparo e a paciência”. O deputado Vicente Caropreso (PSDB) sugeriu a “revisão de instrumentos legais” (fiança, por exemplo). Acrescentando que se o fato ocorresse “em outros estados, talvez esse cidadão não estivesse mais falando com outras pessoas”.

Na PM- Por unanimidade, a Comissão de Legislação e Justiça da Assembleia Legislativa derrubou veto do governador Carlos Moisés (PSL) a projeto do deputado Marcius Machado (PL), propondo altura mínima de 1,60 para homens e 1,55m para mulheres que queiram ingressar na Policia Militar. Como é no Exército. Hoje, na PM, 1,65 para homens e 1,60 para mulheres. Em resumo, deputados entenderam que 5 centímetros não fazem diferença. Quer dizer que, queira ou não o governador, a proposta vai virar lei.

 

 

Notícias relacionadas

x