Economia

Produtores de banana arcam prejuízos com estiagem e vendaval em Corupá

A executiva da Asbanco, Eliane Cristina Müller, informa que em torno de 150 mil pés foram afetados pela ventania. Não apenas os ventos prejudicaram os bananais, mas também a longa estiagem.

04/06/2020

Por

Produtores de banana arcam prejuízos com estiagem e vendaval em Corupá

Ventos fortes havidos no terceiro decêndio de maio, com rajadas oscilando entre 55 e 70 quilômetros horários causaram muitos estragos aos bananais pela quebra ou tombamento das plantas. Segundo a Associação dos Bananicultores de Corupá (Asbanco), as regiões mais atingidas foram Rio Novo, Rio Natal, Osvaldo Amaral, Ano Bom e Blomplandt.

A executiva da Asbanco, Eliane Cristina Müller, informa que em torno de 150 mil pés foram afetados pela ventania. Não apenas os ventos prejudicaram os bananais, mas também a longa estiagem. A estimativa é de que 40% da safra foi prejudicada com o longo período sem chuvas regulares pela desidratação da planta, em consequência da grande evaporação.

Leia mais:

Jazz Band Elite completa 29 anos de muita música em Corupá

Você trabalha na área cultural? Jaraguá do Sul quer te conhecer

Prefeitura de Massaranduba realizará leilão de bens móveis

“As chuvas que caíram esta semana, de baixa intensidade não resolveu nada. Precisamos de chuvas volumosas que penetrem na terra e deixem água acumulada no solo, indispensável para o desenvolvimento da bananeira”, explica.

Eliane comentou que no vendaval, o prejuízo não foi apenas a derrubada da planta, mas também o desfolhamento daquelas que ficaram em pé “como uma folha de palmeira”, o que também causa prejuízo pela diminuição da área foliar. A queda de produção na parte atingida pode chegar a 25% da produção.

Live com meteorologista para alertar os bananicultores

Corupá – Preocupada com a situação dos bananicultores, a Asbanco deve realizar na próxima semana uma live com um meteorologista da Epagri-Ciram para falar sobre os ventos, estiagem, previsão de chuvas e também as baixas temperaturas. “Estamos fazendo o contato com o órgão do governo porque entendemos que nesse momento as informações sobre o clima são valiosas para a nossa atividade”, explicou a executiva da Associação.

“O objetivo é deixar os produtores informados e mais bem preparados”, completou. Quanto à estiagem, o prejuízo é certo. A bananeira é uma planta com elevado e contínuo consumo de água devido à sua morfologia e hidratação dos seus tecidos.

A carência em água adquire maior gravidade nas fases de formação das flores e no início da frutificação. No entanto, a quantidade de água necessária para o bom desenvolvimento da bananeira varia de acordo com a temperatura e umidade do ar e o tipo de solo.

Com a chegada das frentes frias mais frequentes com a aproximação do inverno, o fenômeno da friagem também causa prejuízos à atividade econômica. “O meteorologista deve repassar informações importantes para a atividade da bananicultura”, conclui Eliane Müller.

Notícias relacionadas

x