Economia

Santa Catarina colhe 1,25 milhão de toneladas de arroz na safra

A produtividade média das lavouras ficou em 8,48 toneladas por hectare.

22/07/2022

Por

Santa Catarina colhe 1,25 milhão de toneladas de arroz na safra

Santa Catarina colheu 1,25 milhão de toneladas de arroz na safra 2021/22, volume 0,25% maior do que no ciclo agrícola anterior. A produtividade média das lavouras ficou em 8,48 toneladas por hectare. Assim, o Estado se firma como líder nacional em produtividade e segundo maior produtor de arroz do país.

Glaucia de Almeida Padrão, analista de socioeconomia da Epagri/Cepa, explica que a boa sanidade das lavouras, sem problemas severos de pragas ou doenças, e as condições climáticas adequadas, foram alguns dos fatores que colaboraram para o bom resultado. Ela também destaca o investimento dos rizicultores catarinenses em tecnologia.

Levantamento da Epagri/Cepa realizado entre os produtores de arroz de Santa Catarina apontou que as sementes mais plantadas na última safra foram dos cultivares SCS116 Satoru, SCS121 CL e SCS122 Miura, todos desenvolvidos pela Estação Experimental da Epagri em Itajaí, referência nacional em melhoramento genético do grão.

O SCS116 Satoru e o SCS121 CL foram semeados em mais de 50% da área plantada no Estado. Na safra 2021/22 o Estado contabilizou em torno de 148 mil hectares de lavouras de arroz. Araranguá aparece como a principal região produtora de arroz em Santa Catarina na safra 2021/22, com um total de 503.134 toneladas.

Também é a região com maior área de plantio (58.848 hectares). No quesito produtividade, a liderança ficou para a região do Alto Vale do Itajaí, que produziu 9.541Kg do grão por hectare.

Tendência é de que o mercado se eleve neste semestre

A colheita do arroz em Santa Catarina iniciou em janeiro e já está encerrada, o que resultou em aumento da oferta interna do grão. Glaucia relata que, apesar disso, os preços pagos aos produtores do cereal reagiram no mercado catarinense em junho e julho. “Na comparação com maio, o preço médio de junho foi 0,82% maior, fechando em R$ 67,80 a saca de 50 kg.

Na primeira quinzena de julho, a tendência de aumento se apresentou mais significativa, com preços médios, até o momento, fechando em R$ 69,62 a saca”, descreve a analista.“Pelas reações do mercado nos últimos meses, é possível que o segundo semestre seja marcado por comportamento típico, com preços em elevação, diferentemente do que se observou em 2021”, analisa Glaucia.

Ela lembra que, tradicionalmente, os preços do arroz no mercado nacional se reduzem entre fevereiro e julho, época de colheita, e voltam a subir no período de entressafra, que vai de agosto a janeiro.

 

Epagri/Cepa faz diagnóstico e mostra propriedades produtoras

Durante a safra 2021/22 a Epagri/Cepa aplicou questionário entre os rizicultores catarinenses para fazer um diagnóstico das propriedades no Estado. Além dos cultivares mais utilizados, o levantamento identificou que 53,17% dos cultivos se dão em área própria, enquanto que 46,83% ficam em áreas arrendadas ou usadas em parceria ou meia.

O estudo apontou ainda que as maiores lavouras de arroz estão no Sul do Estado, com área média de 46,4 hectares. Em seguida aparece o Litoral Norte (Massaranduba, Guaramirim e Joinville, principalmente), com média de 31,06 hectares por lavoura, e o Alto Vale do Itajaí, onde as lavouras têm em média 22,64 hectares.

Os principais problemas que afligiram os produtores na safra 2021/22 foram o excesso de calor, especialmente no sul do Estado, as plantas daninhas e a falta de água. O sistema pré-germinado é utilizado em 87,61% das propriedades arrozeiras catarinenses, enquanto que 12,39% produzem em solo seco.

Quer saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região primeiro? CLIQUE AQUI e participe do nosso grupo de WhatsApp!

Notícias relacionadas

x