Geral

Segundo a Forbes, dez dos 33 novos bilionários brasileiros têm seus patrimônios diretamente relacionados à indústria WEG

Ao todo, o ranking de bilionários brasileiros em 2020 tem 238 nomes.

22/09/2020

Por

Segundo a Forbes, dez dos 33 novos bilionários brasileiros têm seus patrimônios diretamente relacionados à indústria WEG

O Brasil chega a 238 bilionários em 2020. A fortuna total é quase PIB do Chile. Alexandre Behring, um dos sócios e fundadores da 3G Capital, é um dos novos bilionários da “Forbes” Do ano passado para cá, mais 33 brasileiros se tornaram bilionários e entraram para a lista dos mais ricos do país da revista “Forbes Brasil”.

Ao todo, o ranking de bilionários brasileiros em 2020 tem 238 nomes. As fortunas desses bilionários, somadas, chegam a R$ 1,6 trilhão, alta de 33% em relação à soma do ano passado. O valor é quase igual ao PIB (Produto Interno Bruto) do Chile, que foi de R$ 1,63 trilhão (US$ 298,2 bilhões) em 2018.

Leia mais:

Amvali apresenta projeto de ponte intermunicipal em 3D

Edital para licitação de obras da BR-280 deve ser lançado esta semana

Programa Nascer: mais 164 ideias estão aptas para a pré-incubação

De acordo com a revista Forbes Brasil, a maioria dos novos bilionários brasileiros conseguiu sua fortuna no mercado de ações, seja pela oferta inicial de papéis (IPO) de suas empresas na Bolsa, seja pela disparada da cotação das companhias das quais são acionistas. O aumento no número de bilionários também teve um impulso da fabricante de motores Weg.

Dez dos 33 novos bilionários brasileiros têm seus patrimônios diretamente relacionados à indústria WEG de motores elétricos, transformadores, geradores e tintas. Os estreantes da companhia herdaram participações acionárias deixadas pelos fundadores da WEG Werner Ricardo Voigt, Eggon João da Silva e Geraldo Werninghaus.

No total, 13 bilionários brasileiros estão ligados à companhia que agora representa a iniciativa privada com mais nomes na lista da Forbes. A soma das fortunas do clube dos 13 é de R$ 87,64 bilhões e escalada para o ranking é fruto da supervalorização de aproximadamente 200% nas ações da WEG negociadas na B3 entre agosto de 2019 e de 2020.

Notícias relacionadas

x