Estadual

Tribunal de Contas recomenda lockdown imediato por 14 dias em Santa Catarina

Tribunal recomenda aos prefeitos que sejam acatadas, no mínimo, as restrições impostas pelo governo de Santa Catarina

09/03/2021

Por

Jornalista apaixonada por cultura e segurança pública

Tribunal de Contas recomenda lockdown imediato por 14 dias em Santa Catarina

O Tribunal de Contas de Santa Catarina (TCE/SC), recomendou ao governador Carlos Moisés (PSL) nesta segunda-feira (8), o fechamento imediato dos serviços não essenciais por 14 dias consecutivos. 

A recomendação, conforme o Tribunal de Contas, é por considerar que as estratégias adotadas pelo governo no combate à pandemia tem sido insuficientes. 

Com base em estudos feitos pela Diretoria de Atividades Especiais (DAE), em indicadores de informações divulgadas e relatos de especialistas em epidemiologia e infectologia que atuam em Santa Catarina e no voto do relator, a decisão do processo aprovada por unanimidade, fez recomendações à Moisés, ao secretário de Saúde, André Motta Ribeiro e aos prefeitos do 295 municípios. 

“Não há como delegarmos, exclusivamente, à área da saúde toda a responsabilidade para a solução de um problema que pertence à sociedade como um todo”, destacou o conselheiro Luiz Eduardo Cherem.

Leia mais

Ele diz ainda que, “não basta ao estado e aos municípios ocuparem-se das consequências de uma doença sem se preocuparem com as causas que levam à sua transmissão”.

Conforme o documento, além do fechamento dos serviços não essenciais, a decisão estabelece que sejam cumpridos os regramentos legais para garantir a ocupação máxima do transporte coletivo, bem como seja prestado apoio aos municípios com relação à fiscalização do isolamento social, criando mecanismos de identificação de possíveis descumprimentos or parte dos positivados. 

De acordo com Cherem, o TCE recomenda que o estado adote medidas efetivas para a compra de mais vacinas, já que “tem recursos disponíveis para tanto da ordem de R$ 300 milhões; e que os professores sejam inseridos no grupo prioritário da vacinação”.

O conselho sugere ao governo catarinense, que seja estudada a possibilidade de fornecimento de auxílio e/ou benefício tributário aos impactados pelo “possível fechamento das atividades não essenciais”. 

Recomendações ao secretário de Saúde 

No documento, o TCE traz algumas recomendações ao secretário de Saúde como a adoção de ações necessárias para garantir aos pacientes com Covid a assistência adequada, respeitando a necessidade e a gravidade de casa caso; investimentos na rede própria visando proporcionar a autonomia do estado para o monitoramento genômico e a ampliação, em parceria com os municípios, da testagem de sintomáticos e do rastreamento de contatos positivos, tendo em vista a necessidade de vacinação em massa.

Recomenda-se também a criação de iniciativas de incentivo a denúncias por parte da população, com relação ao descumprimento das medidas de restrição e “fura fila” da vacinação.

Recomendações aos prefeitos 

O Tribunal recomenda aos prefeitos que sejam acatadas, no mínimo, as restrições impostas pelo governo de Santa Catarina, com fiscalização efetiva e adequada para garantir o isolamento social; e que seja viabilizada, junto com o estado, uma forma para identificação não apenas dos proprietários dos locais onde ocorrem as aglomerações, especialmente em festas, mas dos participantes, para que sejam responsabilizados pelos seus atos. 

A decisão fez ainda, recomendações ao próprio TCE, para instauração de procedimentos ou processo específico para análise dos aspectos relacionados à gestão e regularidade da vacinação no estado. 

O governador, o secretário da Saúde e os prefeitos, serão notificados da decisão, assim como os secretários municipais de saúde, o Ministério Público (MPSC), a Defensoria Pública (DPE/SC) e o Tribunal de Justiça (TJSC).

Quer saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região primeiro? CLIQUE AQUI e participe do nosso grupo de WhatsApp!

Notícias relacionadas

x