Educação

Baixa escolaridade pode levar à demência, diz estudo

Pesquisa liderada pela USP mostra que quase metade dos casos de perda cognitiva poderiam ser prevenidos

17/07/2023

Por

Estudante da 5ª fase de Design, curiosa por natureza e apaixonada pelo que faz.

A baixa escolaridade, seguida da hipertensão e da perda auditiva, são os principais fatores de risco modificáveis associados à demência no Brasil. Juntas, estariam por trás de 22% dos casos, conforme demonstra um estudo inédito liderado pela USP (Universidade de São Paulo), que mapeou o impacto desses e outros fatores no declínio cognitivo dos brasileiros.

O trabalho também revela que quase metade dos casos de demência no Brasil (48,2%) poderiam ser prevenidos ou, pelo menos, ter seu início retardado com o controle de 12 condições reconhecidamente associadas tanto ao Alzheimer quanto ao declínio cognitivo em geral: pouca escolaridade (considerando 8 anos de estudo ou menos), perda auditiva, hipertensão, obesidade, diabetes, consumo excessivo de álcool, lesões traumáticas no cérebro, sedentarismo, depressão, tabagismo, isolamento social e exposição ao ar poluído.

O baixo nível educacional é o principal fator modificável de declínio cognitivo no país, estando associado a 7,7% dos casos, seguido da hipertensão (7,6%) e da perda auditiva (6,8%). No entanto, nas regiões mais ricas do Brasil e entre os brancos, há uma inversão: a hipertensão é o principal fator, o que revela o impacto da desigualdade. Nos países desenvolvidos, os fatores de maior peso são perda auditiva, baixa educação e tabagismo.

Os autores usaram os dados do ELSI-Brasil (Estudo Longitudinal de Envelhecimento no Brasil), que reuniu 9.412 participantes com idade média de 63,6 anos, estratificados por região onde vivem, nível socioeconômico e raça.

“Sabemos que é impossível abolir todos esses fatores de risco do ponto de vista de saúde pública, mas quanto mais reduzirmos esses aspectos, mais casos de demência conseguiremos prevenir”, diz a geriatra da USP, Claudia Suemoto, uma das líderes do trabalho. “O estudo mostra que há um grande potencial para prevenção da demência no Brasil”, complementa.

RESERVA COGNITIVA

As condições que elevam o risco cardiovascular, como hipertensão, obesidade, diabetes ou tabagismo, estão associadas à demência porque aumentam o risco de derrames e parecem promover a deposição de proteínas anômalas associadas à doença de Alzheimer.

Por outro lado, estímulos cognitivos, como a educação, principalmente na 1ª infância, promovem a chamada neuroplasticidade, resultando na formação de novos neurônios e numa maior conexão entre eles. “Isso leva a uma maior reserva cognitiva”, explica Suemoto. A capacidade auditiva, por sua vez, desempenha um papel importantíssimo na recepção de estímulos pelo cérebro.

Estima-se que haja 57 milhões de pessoas com demência no mundo, sendo a maioria nos países pobres. E esse número deve crescer mais de 200% até 2050. Na América Latina, a doença afeta 8,5% da população com mais de 60 anos.

 

Conteúdo postado por  PODER360

Quer saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região primeiro? Participe do nosso grupo de WhatsApp ou Telegram!

Siga nosso canal no youtube também @JDVDigital

Notícias relacionadas

x