Economia

Celesc alivia reajuste anual e ANEEL anuncia revisão tarifária de 5,65%

Será aplicado nas tarifas no período de 22 de agosto de 2021 a 21 de agosto de 2022

23/08/2021

Por

Celesc alivia reajuste anual e ANEEL anuncia revisão tarifária de 5,65%

A Agência Nacional de energia Elétrica (ANEEL) homologou na última terça-feira (17) o resultado da Revisão Tarifária Periódica da Celesc Distribuição, com efeito médio ao consumidor de 5,65%. Será aplicado nas tarifas no período de 22 de agosto de 2021 a 21 de agosto de2022.

Leia mais:

O reajuste, bem abaixo das empresas de porte similar à Celesc e dos índices de inflação, se deve, além de outros fatores, à ação judicial promovida pela companhia, visando excluir o ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS.

A tarifa paga pelo consumidor precisa cobrir os custos de geração, transmissão, distribuição, encargos setoriais e impostos. Os itens que mais impactaram para a composição da revisão foram os custos de aquisição de energia, os componentes financeiros e os encargos setoriais. Todos fazem parte da parcela A, na qual a distribuidora não tem gerência ou gestão.

Destaca-se que os valores destinados a atividade da distribuição, ou seja, que a Celesc recebe para a operação e manutenção do sistema elétrico, como a realização de investimentos em novas redes de energia e custeio das despesas operacionais representam apenas 0,91% do efeito médio do reajuste. A cada R$ 100,00 pagos pelo consumidor, R$ 14,50 ficam com a empresa para custear operações e realizar investimentos. O restante é repassado para outros agentes do setor elétrico.

Nos últimos dois anos (2019 e 2020), o efeito médio ao consumidor residencial, que representa cerca de 80% dos clientes da Celesc, foi de – 2,79%. Com o reajuste em 2021, de 5,19%, observa-se que, nos últimos três anos, para este grupo de consumidores (residenciais), o reajuste Celesc foi de 2,26%, bem abaixo dos indicadores inflacionários e de outras empresas de distribuição do setor elétrico.

A tarifa residencial da Celesc permanece em patamar inferior ao dos dois principais índices de inflação: IPCA e IGP-M. Se comparados os principais reajustes acumulados dos últimos 12 meses (agosto de 2020 a julho de 2021), com outros itens de produtos e serviços, medidos pelo IPCA, a tarifa tem um efeito médio abaixo da inflação.

A variação acumulada da gasolina, por exemplo, foi de 39,65% e do gás de botijão foi de 29,29%. Analisando as demais distribuidoras do país que já tiveram reajustes em 2021, a média publicada pela ANEEL foi de 8,95%.

Quer saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região primeiro? CLIQUE AQUI e participe do nosso grupo de WhatsApp!

Notícias relacionadas

x