Colunas

Coluna: Energia isenta de ICMS

O Conselho Nacional de Política Fazendária acatou pedido do governador Carlos Moisés (sem partido) para isentar os hospitais filantrópicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde do pagamento do ICMS incidente sobre as contas de energia elétrica

19/10/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Coluna: Energia isenta de ICMS

O Conselho Nacional de Política Fazendária acatou pedido do governador Carlos Moisés (sem partido) para isentar os hospitais filantrópicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde do pagamento do ICMS incidente sobre as contas de energia elétrica. A proposta é reduzir custos para atender necessidades no pós-pandemia, com destaque para cirurgias eletivas. Em SC são 136 hospitais localizados em 125 municípios. Do total, 21 mantidos pelo Estado.

Debandada no PSL

No momento em que o Tribunal Superior Eleitoral homologar a fusão DEM/PSL, o PTB, que em 2018 não elegeu nenhum deputado estadual, passará a ter uma bancada com quatro parlamentares na Assembleia Legislativa, igualando-se ao PT e PSD. Kennedy Nunes (ex- PSD), pré-candidato a senador e já filiado com autorização do TSE, mais Ana Campagnolo, Felipe Estevão e Jessé Lopes (todos do PSL). Apenas Ricardo Alba (PSL/Blumenau) deve permanecer no partido. A fusão autoriza os três a mudarem de sigla, em março de 2022, sem risco de perderem os mandatos. O PSL catarinense, presidido pelo deputado federal Fabio Schiochet, esfacelou-se.

Apoio de evangélicos

Senador Jorginho Mello (PL) reuniu-se com o grupo que organiza o Encontro de Gideões Missionários da Última Hora. Será em abril de 2022, em Camboriú (ao lado de Balneário Camboriú). Presente o ministro da Educação, Milton Ribeiro (presbiteriano) que, sobre Mello, amigo íntimo do presidente Bolsonaro disse: “Quero saudar aqui o meu futuro governador do Estado, senador Jorginho”. Os evangélicos foram cruciais para eleger Bolsonaro e tantos outros.

O MDB se mexe

Algumas dezenas de diretórios do MDB fizeram suas convenções no fim de semana para eleger novas diretorias. Do total de 295 diretórios, apenas 230 responderam a uma resolução da executiva estadual tratando das convenções. Destes, 138 decidiram prorrogar os atuais mandatos, 89 optaram pela votação e outros três já o tinham feito. A ideia era a de mobilizar os filiados, motivando-os para a eleição majoritária de 2022. Mas…

O PP também

Em ano pré-eleitoral o PP começa a dar as caras em reuniões programadas para todo o Estado. Qualquer dia destes, aparecem aqui no Vale do Itapocu. À frente o senador Esperidião Amin, ele próprio pré-candidato a governador e que não é visto por estas bandas desde 2019-  em 2018, só de Jaraguá do Sul levou 27.792 mil votos, sendo o mais votado no município entre os 14 candidatos.  Uma lista que incluiu Raimundo Colombo (PSD) e Paulo Bauer (PSDB).

Do básico à universidade

Inaugurado em 1913 e desativado 100 anos depois, em 2013, quando a Bunge Alimentos deixou a cidade, o antigo Moinho de Joinville, um dos grandes símbolos do desenvolvimento do município, vai abrigar um dos maiores complexos educacionais do Estado, do ensino básico ao ensino superior. O único do gênero em SC. Em uma área construída de 19 mil m2 no Centro da cidade. A área total é de 53 mil m2 e vai receber, também, centros de inovação, de capacitação empresarial e industrial, além do Museu da Indústria. E um parque linear ao longo do Rio Cachoeira a ser construído pela Prefeitura. O imóvel, com seis andares, foi tombado pelo Patrimônio Histórico Municipal.

Fiesc investe pesado

O antigo moinho foi comprado em 2019 pela Federação da Indústrias de Santa Catarina por R$ 12,8 milhões com recursos do sistema Fiesc. O investimento total é de R$ 100 milhões e as obras devem começar no segundo semestre de 2022, segundo prevê o presidente da Fiesc, Mario Cezar Aguiar. Até 2024 o complexo deverá abrigar 2,4 mil estudantes, mas com capacidade para até 4,6 mil. “Com isso Joinville terá um novo significado para toda a região, sendo o primeiro passo para a criação do Parque Linear do Rio Cachoeira. Foi ali que a cidade começou, e é por ali que ela vai renascer”, disse o prefeito Adriano Silva (Novo).

Notícias relacionadas

x