Colunas

Coluna: Patrolando a concorrência

Governador Carlos Moisés (sem partido) pretende dar uma tacada mortífera na concorrência à sua cadeira em 2022

14/11/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Coluna: Patrolando a concorrência

Patrolando a concorrência

Até começo de dezembro o governador Carlos Moisés (sem partido) pretende dar uma tacada mortífera na concorrência à sua cadeira em 2022. O Estado vai pagar R$ 1,00 por habitante das 50 maiores cidades, o que inclui Jaraguá do Sul. O cálculo considera estimativas populacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas em 2020. Uma espécie de compensação por conta dos R$ 1,2 bilhão já repassados este ano, com 76% para os pequenos municípios. Afinal, os 50 maiores representam 73% da população.

Com estimados 604 mil habitantes, Joinville leva a maior fatia: R$ 604 milhões. Segundo o IBGE, em 2020 Jaraguá do Sul tinha população em torno de 181. 173 mil habitantes. Um real por habitante é igual a R$ 181,7 milhões. Dinheiro para obras a serem executadas, obrigatoriamente, em prazo de cinco anos.

O PT em evidência

Deputado Fabiano da Luz (PT), que ajudou a livrar o governador Carlos Moisés (sem partido) do segundo pedido de impeachment instalado na Assembleia Legislativa – a compra dos 200 respiradores mecânicos, por R$ 33 milhões pagos adiantados e sem entrega do produto até hoje – está na comitiva que foi a Glasgow, na Escócia.

Onde governadores e outras lideranças mundiais discutem as consequências causadas pelo homem ao meio ambiente. Da Luz está lá representando a Assembleia. Quem diria!

Castigo recompensado

Prefeitura de Xaxim, Oeste de SC, terá de pagar R$10 mil de indenização, com juros e correção monetária, a um servidor efetivo há 15 anos. Em 2012, foi “castigado” por ter ido a um jantar e comícios do candidato a prefeito pelo MDB (que se elegeu) e de oposição ao prefeito da época, do DEM.

Ficou dois meses proibido de trabalhar e motivo de chacota dos colegas. Coisa igual já houve em passado recente na Prefeitura de Jaraguá do Sul, com servidores (fiscais) confinados em uma sala do Parque de Eventos. Mas sem processos na Justiça.

E pra cá, nada?

Presidida pelo senador Dario Berger (MDB), também pré-candidato a governador, a Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado aprovou emenda ao orçamento da União para 2022 no valor de R$ 100 milhões. Com voto favorável do senador Esperidião Amin (PP). O dinheiro será destinado a obras de adequação (melhorias) na BR-470, entre Navegantes, onde o asfalto da duplicação já apresenta problemas, e Rio do Sul. Como sempre, nem aí para a BR-280.

Fetrancesc na eleição

Dono da Aceville Transportes (transportadora com sede em Joinville) e há seis anos presidente da Federação Catarinense das Empresas de Transporte de Carga e Logística de Santa Catarina, o empresário Ari Rabaiolli é pré-candidato a deputado federal pelo PL. Tendo como principal bandeira, é claro, a infraestrutura logística, sonha com 50% do orçamento anual da União destinado exclusivamente para melhorar a logística de transporte.

Custos da lentidão

Rabaioli mostra números impressionantes: pesquisa da Fetrancesc apontou que a velocidade média de um caminhão, percorrendo o trajeto entre Criciúma e os portos de Navegantes e Itajaí, por exemplo, é de inacreditáveis 42k/h, mesmo trafegando em rodovia já duplicada. E que o custo fixo, não incluindo gastos com freios, pneus e combustíveis, de um motorista parado uma hora em uma rodovia é de R$ 100,00.

Reparação de danos

Concessionárias de serviços públicos e outras empresas, públicas ou privadas, serão obrigadas a reparar os danos em vias e logradouros públicos que tenham sido causados por conta de alguma obra ou serviço em prazo de trinta dias. É o que propõe um projeto de lei do deputado Marcius Machado (PL) em tramitação na Assembleia Legislativa.

Materiais originais

Nos reparos deverão ser usados os mesmos materiais originalmente aplicados nas estruturas e dentro das normas técnicas de qualidade e segurança. Muito propício, desde que haja efetiva fiscalização e punições sem protecionismo. No linguajar popular, “vistas grossas”, de acordo com a conveniência do momento. Aliás, é o que se vê por todo lugar.

Novo projeto da Previdência

Tão logo retorne da Escócia, o governador Carlos Moisés (sem partido) enviará à Assembleia Legislativa novo projeto da Previdência Complementar dos servidores estaduais. Agora, sem inclusão dos comissionados e dos deputados, que por penas um voto não aprovaram o projeto anterior. Beneficiando a si próprios e a uma casta de servidores com salários acima de R$ 6,5

Notícias relacionadas

x