Colunas

Coluna: Sem inauguração

Projetada para desafogar o complicado trânsito de veículos de todo tipo na região da Malwee Malhas e do acesso à SC-110, no sentido Pomerode, a obra foi retomada em abril de 2020, ainda com o ex-prefeito Antidio Lunelli

17/05/2022

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Coluna: Sem inauguração

Prefeito Jair Franzner (MDB) mandou liberar a conhecida ponte do Motel Kalahari na manhã de sábado (14). Ao constatar, no início da noite de sexta-feira (13), que a obra iniciada em 2008, no governo de Moacir Bertoldi e paralisada nos governos de Dieter Janssen e Cecília Konell, já estava pronta. Projetada para desafogar o complicado trânsito de veículos de todo tipo na região da Malwee Malhas e do acesso à SC-110, no sentido Pomerode, a obra foi retomada em abril de 2020, ainda com o ex-prefeito Antidio Lunelli (MDB). Detalhe: para o desgosto de políticos que gostam de “sair na foto” mesmo sem nenhum mérito, não houve inauguração.

Eleições

  • Pesquisa interna encomendada pelo PT ao Instituto Vox Populi e que já foi analisada pela cúpula nacional o partido mostra que, em Santa Catarina, o presidente Jair Bolsonaro (PL) ainda lidera a corrida eleitoral presidencial, contra Lula da Silva (PT) em segundo.
  • A pesquisa não tem registro no Tribunal Superior Eleitoral e, por isso, percentuais alcançados pelos dois e o universo de eleitores consultados não são públicos. SC deve ser um dos primeiros estados que Bolsonaro visitará em campanha. Lula teria agenda por aqui ainda em maio.
  • Em Balneário Piçarras tramita na Câmara de Vereadores projeto de lei do prefeito Tiago Baltt (MDB) pretende proibir a venda de bebidas alcoólicas a quem for flagrado em “notório estado de embriaguez”. Para conter o excessivo consumo de bebidas em locais públicos.
  • A proposta, além de multas para proprietários de bares e similares que descumprirem a lei, também obriga proprietários de estabelecimentos a chamar a PM para conter os mais exaltados por conta da bebedeira em afronta à ordem pública.
  • Em 2008, a Câmara de Jaraguá do Sul foi mais além e acabou com arruaças em locais públicos aprovando lei de iniciativa da vereadora Maristela Menel Roza. Um ano antes, lei idêntica passou a valer em Guaramirim, por iniciativa do então comandante da PM local, Rogério Vonk.
  • Quinto suplente do PSL (13.918 votos) na eleição de 2018 e hoje filiado ao União Brasil, o empresário Osmar Vicentini, 65 anos, será deputado estadual por 60 dias. Por sete vezes consecutivas foi vereador de Guabiruba (região de Brusque) que, pela primeira vez em sua história, tem representante na Assembleia Legislativa.
  • Moacir Pereira (ND+), escreveu: correligionários e amigos de Ivete Appel da Silveira (MDB), viúva de uiz Henrique da Silveira (MDB) contestam informações de que ela teria feito declaração de voto ao ex-prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli (MDB).
  • Segundo o jornalista, A viúva ficou aborrecida com a informação que circulou em redes sociais e notícias na mídia digital. Reiterando neutralidade e enfatizando que “a família está empenhada na eleição do senador Jorginho Melo”.

Discurso faz de conta

“Nos encontramos hoje, Jorginho Mello e Esperidião Amin. Ele como candidato do PL e Esperidião Amin como pré-candidato a governador do Progressistas. Dois partidos que, em nível nacional, apoiam Jair Bolsonaro (PL). Primeira regra é de respeito recíproco. A segunda é de busca de formas de contribuir para que Santa Catarina tenha resgatado os compromissos dos governos federais. Os vários governos que não tem feito aquilo que Santa Catarina e merece”. Ora, o que levaria o eleitor a (ainda) acreditar no discurso incoerente e dúbio dos “nobres” senadores? Tipo, “ metemos o pau no governo, mas o apoiamos (o governo)?”.

Dois políticos isolados

O senador Esperidião Amin (PP), que (ainda) é pré-candidato à sucessão de Carlos Moisés (Republicanos) e “bolsonarista” de ocasião, sonhava em se aliar ao governador. Um desejo recíproco. O encontro entre Amin e Mello foi na sexta-feira (13). Cheirando a coisa feita para abafar fato relevante: no mesmo dia, 46 dos 52 prefeitos eleitos pelo PP em 2020, reunidos com Moisés, declararam apoio formal à reeleição do governador. Mas Amin acha que tudo não passou de um mero almoço. Resumindo: acostumados a impor suas vontades, Amin e Mello estão isolados nessa corrida eleitoral. Entre os maiores partidos, ninguém os quer.

Notícias relacionadas

x