Colunas

Coluna: Vinicius Renê Lummertz é pré-candidato

O catarinense Vinicius Renê Lummertz Silva, candidato do governador de São Paulo, Joao Dória Jr., a governador de Santa Catarina, vai mesmo deixar a Secretaria de Turismo daquele estado

30/03/2022

Por

Nascido em Blumenau, 72 anos, 57 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

O catarinense Vinicius Renê Lummertz Silva, candidato do governador de São Paulo, Joao Dória Jr., a governador de Santa Catarina, vai mesmo deixar a Secretaria de Turismo daquele estado. Nascido em Rio do Sul em 1960, Silva foi secretário Nacional de Políticas de Turismo, ministro do Turismo e presidente da Embratur nos governos de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB). Mas ele não é unanimidade no ninho tucano. A primeira e única vez que disputou cargo eletivo foi em 1996, para prefeito de Florianópolis. Entre seis candidatos, terminou como quarto mais votado. Em eleição vencida por Ângela Amin (PP).

Moisés com Maldaner

Carlos Moisés (Republicanos) e o presidente estadual do MDB, deputado federal, Celso Maldaner, voltaram a conversar. Sobre a eleição majoritária, é claro. Se Maldaner aceita (conversar) a estas alturas do campeonato e com o MDB isolado, é porque pode dar jogo. Moisés também esteve com Clésio Salvaro, prefeito de Criciúma, que desistiu de ser vice na chapa de João Rodrigues (PSD). Moisés sonha ter MDB e PSDB como parceiros.

Bernardes a estadual

Depois de “jogar fora” uma promissora carreira política, quando convencido a ser candidato a vice-governador pelo PSDB na chapa de Mauro Mariani (MDB) em 2018, o ex-vereador e ex-prefeito de Blumenau (dois mandatos consecutivos), Napoleão Bernardes, agora no PSD, anuncia uma candidatura a deputado estadual. Até recentemente, gastou sola de sapato pelo estado afora na pretensão de uma pré-candidatura a governador.

Eleições

Em ano eleitoral, a Assembleia Legislativa deve aderir ao regime de bandeira a meio pau tão logo a lista de candidatos proporcionais esteja definida. Com cada um tratando da própria sobrevivência nas urnas. No caso dos legislativos (deputados e vereadores) e sabe-se lá o porquê, a reeleição não tem limites. E não dá para reclamar do salário.

Pela segunda vez a licitação para duplicação da SC-108, entre Guaramirim e Massaranduba, foi suspensa. Agora, por “preço excessivo”, aponta o Tribunal de Contas do Estado. Que quer explicações do secretário de Infraestrutura e Mobilidade, Thiago Vieira. Em 2021 a obra foi orçada em R$ 207 milhões.

Já o ritmo da duplicação do trecho urbano da BR-280, entre Guaramirim e Jaraguá do Sul, não é o mesmo de quando da retomada das obras no ano passado. Agora, vai devagar, bem devagar, com prazo de conclusão adiado para 2023.

Já tem quem aposte que nenhuma das obras estruturais projetadas por prefeituras com dinheiro do Plano 1000 (mil reais por habitante) lançado pelo governador Carlos Moisés (Republicanos) sairá do papel antes do prazo legal (obras novas) em ano eleitoral.

O repasse de recursos para novas obras só pode ser feito até três meses antes das eleições de 2 de outubro, entre julho e setembro. No total, são R$ 7,3 bilhões. Antes, porém, a execução dos projetos passa por demorada análise jurídica e técnica de viabilidade.

Aos 86 anos, morreu em Joinville o ex-deputado estadual por dois mandatos, Adhemar Garcia Filho. Antes, foi vereador (1958/1962) e diretor-presidente da Celesc nos anos 1980. Em 16 de fevereiro de 1971, a Câmara de Vereadores de Schroeder concedeu a ele o título de Cidadão Honorário.

Um dos bairros mais populosos de Joinville leva o nome do pai, Adhemar Garcia, que foi dono de uma das maiores fabricas do país de carretéis de linha de madeira utilizados pelas Linhas Corrente, de São Paulo. E uma das primeiras fábricas de Joinville a conceder abono de Natal aos funcionários.

*Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, vai renunciar ao mandato. Mas não sai do PSDB. Rejeitado pelo PSD como candidato à presidência da República, Leite vai para a convenção nacional tucana também como pré-candidato à cadeira de Jair Bolsonaro (PL). Peitando João Dória Jr., que nas pesquisas eleitorais não marca dois dígitos.

O MDB no Senado

Prestes a completar 79 anos (25 de maio) Ivete Appel da Silveira (MDB), nascida em Brusque, viúva de Luiz Henrique da Silveira (MDB) e primeira suplente do senador Jorginho Mello (PL), deve assumir mandato no Senado em abril. A estratégia é discursar a favor da candidatura de Mello que, se eleito, abre a vaga para o MDB. O segundo suplente é Beto Martins, ex-prefeito de Imbituba, que em junho de 2021 deixou o PSDB para se filiar ao PL.

Notícias relacionadas

x