Mundo

Dopamina ajuda a atrasar progressão do Parkinson, mostra estudo

A dopamina é produzida naturalmente pelo cérebro quando a pessoa faz exercícios físicos

12/06/2022

Por

Dopamina ajuda a atrasar progressão do Parkinson, mostra estudo

Pixabay

A dopamina pode ajudar a atrasar a progressão de doenças como o Parkinson, por exemplo. É o que revela um novo estudo da NYU Grossman School of Medicine, dos Estados Unidos.

E o melhor é que a dopamina, conhecida como o hormônio da felicidade, é produzida naturalmente pelo cérebro quando a pessoa faz exercícios físicos. Ou seja, é um tratamento natural, barato e que tem resultados rápidos.

A pesquisa, feita em cobaias se exercitando em esteiras durante trinta dias, mostrou que a concentração da dopamina cresceu em 40%. “A liberação continuou durante uma semana, o que explica os benefícios prolongados para o humor e a coordenação motora”, disse Margaret Rice, autora principal da pesquisa, em entrevista à Veja.

Motivo

A pesquisa revelou que os treinos elevam substancialmente a produção de uma proteína que faz a manutenção e estímulo da produção de neurônios, que fabricam de dopamina.

Há tempos os estudiosos tentam decifrar o que está por trás da deliciosa sensação que toma o corpo depois de alguns minutos de atividade física. E agora descobriram que esses exercícios contribuem para atrasar a progressão do Parkinson, doença que tem sua origem na escassez do hormônio.

Toda a atividade cerebral é mediada por hormônios que levam a informação de uma célula nervosa à outra. Por isso, eles são chamados de neurotransmissores.

Como são produzidos pelo corpo

A produção de cada um dos neurotransmissores é acionada por diversos gatilhos, disparados de acordo com as funções das áreas nas quais atuam.

A serotonina, por exemplo, está envolvida no processamento de emoções. Quando há desequilíbrio na sua concentração, uma das consequências pode ser a depressão.

Já a dopamina atua em três campos.

O primeiro é o que controla os movimentos motores. Dar um passo, levar o lápis ao ponto certo da página ou o garfo à boca são ações que necessitam dela para ser executadas.

Ela também é a principal substância a intermediar as conversas entre as células nervosas que integram o sistema de recompensa, no qual são processadas as sensações de felicidade e satisfação quando recebemos algo que nos agrade.

Além disso, também está presente nos mecanismos que permitem a identificação dos sentimentos alheios, habilidade vital para a convivência social.

“Qualquer desequilíbrio de dopamina prejudica essa capacidade”, explica Bianca Schuster, da Universidade de Birmingham, na Inglaterra.

Ligação com Parkinson

O problema é que o hormônio está sujeito a sofrer alterações ou por doenças, como o Parkinson — nesse caso, há morte dos neurônios que o produzem —, ou como consequência do envelhecimento.

A cada década da idade adulta, o cérebro sofre redução de 13% dos receptores (as portas de entrada das células) de dopamina.

O fenômeno ocasiona a perda da alegria em realizar atividades antes prazerosas, prejudica a socialização e impede a correta realização dos movimentos mesmo que o indivíduo não tenha Parkinson.

O antídoto aos danos pode ser encontrado nos remédios que tentam reequilibrar a disponibilidade de dopamina ou, como se está descobrindo agora, na realização de exercícios físicos rotineiramente.

Um jeito barato e simples de frear a progressão do Parkinson.

Fonte: SóNotíciaBoa.

Quer saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região primeiro? CLIQUE AQUI e participe do nosso grupo de WhatsApp!

Notícias relacionadas

x