Colunas

Números que impressionam

A cada seis acidentes registrados em média por dia, um tem uma pessoa encaminhada aos hospitais da região com ferimentos graves.

19/08/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Números que impressionam

De 2011 até o começo da semana, foram 20,5 mil acidentes apenas no trecho da BR-470 no Vale do Itajaí e 863 mortes, uma vítima fatal a cada 4,5 dias. A cada seis acidentes registrados em média por dia, um tem uma pessoa encaminhada aos hospitais da região com ferimentos graves. Argumentos de deputados que pressionam para mais investimentos na duplicação da BR-470. E a BR-280, palco de seguidos acidentes com mortes? Temos argumentos do tipo?

Impasse resolvido

No que toca à rodovia no Vale do Itajaí, o impasse com a União foi resolvido: trecho entre Navegantes e Gaspar terá recursos estaduais de R$ 200 milhões. E, de Blumenau a Indaial, onde a duplicação termina, outros R$ 100 milhões.

No caso da 280, segue o anunciado em março desse ano: míseros R$ 50 milhões, da BR-101 a São Francisco do Sul. Em tempo: mesmo assim nenhuma obra em andamento tem prazo de conclusão. Mas, o que já tem de “pai da criança” é um espanto!

Moisés e o MDB

De novo a pífia força política do Vale do Itapocu e o “pouco se me dá” dos que catam votos por aqui a cada eleição. Como se pôde ver na comitiva político partidária que foi à Brasília na terça-feira (18) para audiência pública no Senado.

Destaque para o MDB, mais do que nunca afinadíssimo com Moisés. Que, se pretende uma reeleição, tem duas opções: ou vai para o MDB (e o convite não deve demorar) ou, como segunda opção, para um partido menor, com o MDB de vice.

A romaria dos três pré-candidatos ao governo pelo MDB pelo Estado afora, terminou. Dia 23 o partido se reúne para decidir uma nova data da eleição prévia entre os filiados e que apontará o candidato. Ou, até, para concluir que o esquema adotado pelo diretório estadual bagunçou o coreto de tal forma que melhor seria não fazer.

Aliás, a bancada de deputados estaduais é contra a prévia ainda em 2021 e, sobre isso, o líder na Assembleia, Valdir Cobalchini, já comunicou o deputado Celso Maldaner, também presidente estadual do partido.

Bem lembrado

O papel do vereador foi enaltecido na Assembleia Legislativa, que sediou seminário estadual organizado pela União dos Vereadores de Santa Catarina. Nas palavras do deputado Mauricio Eskudlark (PL), “o vereador é o político que está mais próximo do eleitor, do cidadão, é ele quem recebe as demandas iniciais da comunidade”. Nada mais verdadeiro. Mas, faltou dizer que o vereador é o grande e principal cabo eleitoral dos deputados, senadores, governadores. E que a recíproca inexiste. Ou quase.

Motoristas inseguros

A Associação dos Motoristas de Aplicativos de Santa Catarina foi à Câmara de Joinville para propor medidas de segurança aos que atuam no ramo. O assunto voltou a ser discutido poucos dias após o assassinato de motorista de aplicativo no município.

Leonardo Telles, 39 anos, foi morto a facadas durante uma corrida na noite de 7 de agosto. Entre as medidas está a criação da “Rede de Monitoramento de App Seguro”. Uma ideia já negada porque ainda não há lei regulamentando aplicativos que prestam esse tipo de serviço à população.

Lei exige operadoras

Em Joinville há uma lei municipal vigente desde 2017, mas estabelece, porém, que a atividade só pode ser considerada regularizada através das chamadas Operadoras de Tecnologia de Transporte Autorizadas.

Segundo o presidente da Amasc, Wagner de Mira, o grupo, que seria monitorado pela polícia, funcionaria nos moldes das redes de vizinhos, organizadas entre comunidades e a Polícia Militar para proteger residências. Dados apresentados na reunião apontam que Joinville tem cerca de 9 mil motoristas de aplicativos.

Notícias relacionadas

x