Colunas

Tête-à-tete

O prefeito Antidio Lunelli (MDB), esteve no gabinete do colega João Rodrigues (PSD), também pré-candidato à sucessão de Carlos Moisés (PSL)

08/07/2021

Por

Nascido em Blumenau, 72 anos, 57 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Na passagem por Chapecó, cumprindo roteiro como pré-candidato a governador, o prefeito Antidio Lunelli (MDB), esteve no gabinete do colega João Rodrigues (PSD), também pré-candidato à sucessão de Carlos Moisés (PSL) em 2022.

A conversa não vazou em detalhes, mas se sabe que não foi apenas uma visita de cortesia, a convite de Rodrigues, para troca de informações sobre políticas de gestão adotadas pelos dois prefeitos de duas das maiores cidades de SC. Ter Rodrigues, liderança política incontestável no Oeste catarinense, na chapa majoritária seria um grande negócio. Ou vice-versa, no caso de Lunelli, não ser o indicado pelo MDB.

Juntos na tríplice aliança

Em passado recente, MDB e PSD caminharam juntos (incluindo o PSDB) para eleger e reeleger Luiz Henrique da Silveira (MDB) a governador. E, depois, na eleição e reeleição de João Raimundo Colombo (ainda pelo PSD).

Em 2018 a tríplice aliança, assim batizada por LHS, não se repetiu pela quarta vez por conta da candidatura forçada de Gelson Merisio pelo PSD (hoje no PSDB). Numa sabotagem clara à candidatura do então deputado federal Mauro Mariani (MDB). E deu no que deu. Nenhum dos dois.

PSC quer Moisés

Presidido em SC pelo ex-deputado e pastor da Igreja Quadrangular, Narciso Parisotto, o PSC foi ao encontro do governador Calos Moisés (PSL). O partido formalizou convite para que o governador se filie no PSC e dispute a reeleição em 2022. Moisés, que deve deixar o partido no próximo dia 17 de julho (17 é o número do PSL), não descartou conversas futuras.

Cofre cheio

Já está na Assembleia Legislativa a proposta orçamentária do governo do Estado para 2022. Prevendo crescimento da receita em R$ 3 bilhões a mais que em 2021. Totalizando algo ao redor de R$ 34,5 bilhões.

Já em abril a receita de SC registrava crescimento de 51,2% em relação a abril de 2020. Quando a arrecadação batia na casa de R$ 1,99 bilhão.

MDB lidera filiados

Dados oficiais do Tribunal Regional Eleitoral, baseado em registros comprovados fornecidos pelos partidos políticos, apontam que 861.694 eleitores, do total de 5,2 milhões (dados de agosto de 2020) são filiados a alguma sigla política.

São 485.042 mil homens (56,2%) e 376.651 mil mulheres (43,7%). O MDB lidera com 185,7 mil filiados. Depois aparecem o PP (128,5 mil), PSDB (99,6 mil), DEM (94,9 mil), PT (58,2 mil), PSD (51,4 mil), PL (42,6 mil), PDT (42,3 mil), e PTB (22,8 mil).

Outros partidos

O Cidadania aparece com 21.585 mil filiados; PSB (18.397 mil); Republicanos (17.315 mil); PSC (13.601 mil); Podemos (9.777 mil); Patriota (8.662); PCdoB (6.814 mil; PTC (6.614 mil); PCdoB (6.814 mil); PV (6.308 mil); Solidariedade 4.925 mil); PSL (3.280 mil); Novo (3.122 mil); PSOL (2.773 mil); DC (2.464 mil); Avante (2.454 mil); PMN (2.375 mil) e PRTB (1.823). Se levada em consideração a proporção entre filiados e eleitorado, Santa Catarina aparece em quarto lugar no ranking nacional. 

Notícias relacionadas

x