Colunas

Coluna: Esperando pelos diretórios

A princípio, tudo vai depender da vontade maioria dos convencionais dos 27 estados

09/06/2022

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Coluna: Esperando pelos diretórios

O MDB nacional está à espera das convenções estaduais do partido, entre 20 de junho e 5 de agosto, para decidir se lança ou não candidato próprio à presidência da República, no caso a senadora Simone Tebet (MS), 52 anos. Que já teria apoio do PSDB e Cidadania. A princípio, tudo vai depender da vontade maioria dos convencionais dos 27 estados. De Santa Catarina são 31 votos, o quarto maior colégio eleitoral emedebista à convenção nacional. O estado com maior número de votantes é o Rio Grande do Sul (44), seguido por Minas Gerais (36) e São Paulo (35).

Eleições

  • Nos espaços da propaganda partidária no rádio e TV, o ex-governador Raimundo Colombo (PSD) tem o maior tempo. Nada menos que preciosos 30 segundos. Colombo, rifado pelo PSD na pretensão de se candidatar a um terceiro mandato de governador, é candidato a senador.
  • Colombo elegeu-se senador em 2006 pelo PFL. Licenciou-se em 2010 para se eleger governador. Reelegeu-se em 2014 e, quatro anos depois (2018), tentou novo mandato de senador. Foi atropelado por Esperidião Amin (PP), da mesma coligação, e Jorginho Mello, candidato pelo PR.
  • Ferve a esquerda catarinense. Informação que teria partido da boca de Lula da Silva indicando que o candidato da chamada Frente Democrática seria o senador Dario Berger (PSB), foi desmentida categoricamente por Décio Lima (PT). Compadre de Lula, Lima disse que se essa fosse a vontade do ex-presidente, ele não mandaria recado por terceiros.
  • Pré-candidato a governador, Esperidião Amin (PP) encarna como ninguém o personagem Samuel Blaustein, da extinta Escolinha do Professor Raimundo. “Fazemos qualquer negócio”, bradava Blaustein. Amin, depois de tentar se encostar em Carlos Moisés (Republicanos), agora quer ter o PSDB como vice. E Kennedy Nunes (PTB) para o Senado.
  • Abraçado à reeleição de Carlos Moisés (Republicanos), o Podemos projeta, sem qualquer modéstia, a performance do partido nas eleições proporcionais de outubro: cinco deputados estaduais e dois federais nas contas do presidente do partido, Camilo Martins.
  • O PT pôs uma pedra no caminho do ex-juiz federal Sergio Moro (União Brasil), candidato a senador por São Paulo. Moro mudou seu domicílio eleitoral para a capital paulista sem comprovar tempo mínimo de três meses de residência fixa na cidade.
  • A ação foi julgada pelo Tribunal Regional Eleitoral paulista. Moro disse que não vai recorrer e que, agora, se candidatará a senador pelo Paraná. Porém, lá o senador Álvaro Dias, do Podemos, partido ao qual Moro esteve filiado por alguns dias, é candidato a reeleição.

PL da deputada Ada de Lucca está pronta para votação

Está pronto para votação em plenário o projeto de lei da deputada Ada de Lucca (MDB) permitindo que as Redes Femininas de Combate ao Câncer formalizem convênios com o governo do Estado para recursos do Fundo Estadual da Saúde. A RFCC, criada em 6 de maio e 1961, está presente em 67 municípios, uma em Jaraguá do Sul, há 36 anos.

Prestando atendimento com enfermeiras, médicos, terapeutas e incansáveis voluntárias, passam por crônicas dificuldades financeiras. E, com frequência, precisam da ajuda das comunidades. Em média, são 100 mil mulheres atendidas anualmente na prevenção do câncer de mama, com terapias complementares.

Notícias relacionadas

x