Colunas

Cargos e salários do magistério

Desde o primeiro governo de Esperidião Amin (PP/1983-1987), o tema está em evidência, motivando muitas e grandes greves da categoria.

26/05/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Cargos e salários do magistério

Cargos e salários do magistério

Deputado Vicente Caropreso (PSDB) será relator de uma comissão mista criada na Assembleia Legislativa para elaborar anteprojeto de lei alterando o plano de cargos e salários do magistério estadual.

Na presidência, a professora e deputada Luciane Carminatti (PT). Os debates serão travados, principalmente, entre o governo do Estado, secretaria da Educação e sindicato dos professores.

Na verdade, desde o primeiro governo de Esperidião Amin (PP/1983-1987), o tema está em evidência, motivando muitas e grandes greves da categoria. Desde então insatisfeita com todas as mudanças feitas até agora no que toca a funções e salários.

Proposta politiqueira

Projeto do deputado Valdir Cobalchini (MDB) denomina o centro administrativo do governo de Santa Catarina, de senador Casildo Maldaner (MDB), que faleceu há poucos dias.

E vão aprovar! Com todo o respeito à memória do ex-senador, a proposta é, no mínimo, politiqueira. Mas, com o MDB, PP e PSDB atrelados ao governo, Carlos Moisés (PSL) vetará?

Fusão negociada

PSB, PCdoB, Rede e Partido Verde podem se juntar para criar o “Socialistas” para escapar da cláusula de desempenho:  um mínimo de votos para candidatos a deputado federal ou estadual se elegerem.

Pela nova regra, votos em número igual ou maior que 10% do quociente eleitoral, que é a quantidade de votos válidos dividida pelo número de vagas em cada Estado. 

Com apoio de Bolsonaro

Entre possíveis candidaturas do staf de primeiro escalão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) começa a aparecer o nome do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que não é filiado a nenhum partido político.

Para disputar o governo de São Paulo, batendo de frente com João Dória (PSDB), se ele for à reeleição. Ou com o candidato apoiado pelos tucanos. Embora Bolsonaro tenha aventado essa possibilidade já em março, o nome o ministro foi ignorado em pesquisa feita entre 28 de abril e 1º de maio pelo Instituto Paraná Pesquisas.

Compra de vacinas

Empresas privadas de Santa Catarina poderão comprar vacinas contra a Covid 19. Entre as exigências está a doação, obrigatória, de 50% dos lotes ao SUS. Também devem contemplar grupos prioritários previstos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação.

O projeto apresentado pelo deputado Valdir Cobalchini (MDB) deve ser votado pelo plenário da Assembleia Legislativa nos próximos dias. Depois, segue para a mesa do governador Carlos Moisés (PSL), para que a lei entre em vigor.

Carlos Moisés e Amin

A possibilidade de uma coligação que reúna, principalmente, PP e PDS na disputa pelo governo do Estado, com o govenador Carlos Moises (PSL) migrando para o PP e buscando a reeleição, começa a produzir seus efeitos.

O senador Esperidião Amin (PP) defende a candidatura do prefeito reeleito de Tubarão, Joares Ponticelli.  Que, em 2019, esteve com um pé no PSL. E que, em 2014, foi candidato a vice-governador na chapa encabeçada pelo tucano Paulo Bauer.

Tempo para fazer

Com os cofres cheios, Moisés ainda tem tempo para resgatar a péssima imagem dos dois primeiros anos de governo e cair na simpatia do eleitorado. Mas, Amin não se constrangerá em apoiar Moisés.

Afinal, em 2006 o senador negociou apoio do PT na disputa contra Luiz Henrique da Silveira (MDB). Tanto que a diferença de 700 mil votos no primeiro turno caiu para 173 mil. Estrela maior do PP, o senador sempre se amolda ao que mais lhe convém.

Notícias relacionadas

x