Colunas

Coluna: PSDB escolhe João Dória

O PSDB não vai de chapa pura e Dória não descarta ter Sergio Moro (Podemos) de vice

30/11/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Coluna: PSDB escolhe João Dória

João Dória Jr., 63 anos e governador de São Paulo, é o candidato do PSDB à presidência da República. Na votação eletrônica concluída sábado (27) com votos de filiados, prefeitos e vice-prefeitos, vereadores, deputados estaduais e distritais governadores, vice-governadores, ex-presidentes e o atual presidente da Executiva nacional, senadores e deputados federais. Dória, ex-prefeito de São Paulo, levou 53,99% dos votos, Eduardo Leite 44,66% e o ex-senador pelo Amazonas, Arthur Virgílio, com 1,35%. O PSDB não vai de chapa pura e Dória não descarta ter Sergio Moro (Podemos) de vice.

Bolsonaristas de ocasião

Em 2018, no segundo turno, Dória e Leite se declararam “bolsonaristas” o que rendeu a ambos milhares de votos.  No sábado votaram cerca de 30 mil votos entre os 44,7 mil filiados aptos a participar. Parte dos votos (8% do total de filiados) já havia sido contabilizada no último domingo quando a votação foi interrompida por falhas no aplicativo utilizado pelos tucanos na votação online. O dia 21. Foi a primeira vez que o PSDB fez prévias para escolher o candidato à presidência da República. Pesquisas recentes mostram Doria atrás de Lula (PT), Bolsonaro (PL), Moro (Podemos) e Ciro Gomes (PDT).

Mudanças no Calçadão

A preços de hoje, a revitalização planejada para o Calçadão da Marechal já em estudos inicias, segundo o vereador Luiz Fernando Almeida (MDB), custaria ao redor de R$ 1,5 milhão. O projeto inclui toda a fiação subterrânea. E que deve ser a parte mais cara da obra. Em emenda do vereador Rodrigo Livramento (Novo), ao Plano Plurianual de Investimentos, a Câmara aprovou previsão orçamentária neste valor.

Três décadas depois

A primeira versão do Calçadão foi construída no segundo mandato do ex-prefeito Durval Vasel (PTB-1991/1994). Incluindo a construção da parte dos fundos (para a Rua Reinoldo Rau) da Praça Ângelo Piazera, com quadra de futebol de areia, equipamento para recepção de lixo reciclável, palco para teatro e shows musicais, choperia, banheiro público e área exclusiva do Clube de Mães. Com o tempo, o abandono é visível. Mas, já há projeto para a revitalização.

Elogios para Moisés

“Quatro anos é pouco para o governador Moisés”. Discurso é do deputado Romildo Titon (MDB) em ato do governo no município de Treze Tílias. Titon, ex-vereador e ex-prefeito de Campos Novos, está no sétimo mandato consecutivo. “O senhor me cativou. Em 44 anos de mandatos nunca presencie atos como esse. O candidato que ninguém conhecia, que nunca tinha sido político, faz um governo competente e transparente”. Moisés evita falar em reeleição por conta da legislação eleitoral. E nem precisa porque os aliados o fazem.

Deputados com governador

Parte do MDB bandeou-se para o governo em troca de cargos importantes. Desde então, elogios rasgados de deputados emedebistas são frequentes, evidenciando a carcomida politicagem de grupos que não se aturam. Dos nove deputados estaduais do MDB, não há um sequer que não apoie Moisés, que tem repassado, por lei, recursos o Estado direto para os caixas das prefeituras. Afinal, os prefeitos são os grandes cabos eleitorais dos deputados que o apoiam. E no MDB, como a maioria dos parlamentares da Alesc, todos vão à reeleição.

Nadando de braçada

Há pouco tempo, o deputado federal e presidente estadual o MDB, Celso Maldaner, que colocou seu nome como um dos pré-candidatos a governador (um faz de conta porque apoia abertamente o prefeito Antídio Lunelli), alertou: se o partido não definisse um nome ainda em 2021, Carlos Moisés nadaria de braçada rumo à reeleição. Queira tirar o partido do governo e comprometer os deputados com o candidato do MDB. Mas a bancada na Assembleia, longe de concordar, impôs o dia 15 de fevereiro do ano que vem. E, até lá, Moisés vai nadar de braçada.

Notícias relacionadas

x