Colunas

Falta a cultura geral

Não temos, nas nossas escolas, nada sobre o que se chama de cultura geral, aquela que não está nos livros das salas de aula.

24/08/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Vereador Jeferson Cardozo (PSL) pretende que o Ministério da Educação e secretarias estadual e municipal da Educação incluam na grade curricular matérias relacionadas aos feriados e seus significados. De fato, é só sair às ruas perguntando sobre o porquê do feriado de 21 de abril.

Se a pergunta for sobre governadores do Estado, mesmo os mais recentes, é certeza de que a maioria nada saberá dizer e alguns, muito pouco. No âmbito municipal, quanto a nomes de personalidades, ruas, praças e por aí afora, pior ainda. Não temos, nas nossas escolas, nada sobre o que se chama de cultura geral, aquela que não está nos livros das salas de aula.

Mendonça no Turismo

Receoso sobre desgaste à frente do Ministério do Turismo a ponto de refletir negativamente na sua campanha a governador, o senador Jorginho Mello (PL) deve declinar do convite feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Mas, outro bolsonarista, também amigo do presidente, pode aceitar o convite.

É o deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB), que em 2022 não vai disputar nova reeleição. Vai apoiar o colega de partido e deputado estadual, Jerry Comper. O problema maior é de orçamento. Em 2021, R$ 2 bilhões: R$ 616 milhões para a área de turismo e o restante para despesas com a Secretaria de Cultura.

Demagogia ao cubo

É impressionante ver uma penca de políticos catarinenses (e, de resto, no país) vociferando a favor do voto impresso e contra a volta das coligações em eleições proporcionais. Gente que sempre se beneficiou do segredo das urnas e dos amontoados de partidos de aluguel para se eleger com o abominável recurso de legendas e que nunca se manifestou contra.

O fazem, agora, única e exclusivamente por causa de movimentos populares que têm à frente o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), às vésperas de ano eleitoral. E só por isso.

Precisa desenhar?

Aliás, não por coincidência, 486  deputados federais eleitos em 2018, incluindo os jaraguaenses Carlos Chiodini (MDB) e Fábio Schiochet (PSL), chegaram lá graças às legendas. Mas a volta das coligações proporcionais, cuja proibição aprovada em 2019 vigorou em 2020, passará por votação no Senado (ainda sem data).

Mas é bom dizer que, mesmo com a maioria dos senadores votando contra, a proposta retorna à Câmara dos Deputados. Onde certamente será promulgada, já que lá obteve a folgada maioria de 347 votos a favor com 135 contrários.

Divisão no ninho

Tucanos catarinenses se dividem sobre a eleição presidencial de 2022. Há quem defenda o nome do governador de São Paulo, João Dória Jr. E há quem queira o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. Dória também enfrenta resistências entre deputados federais do partido.

Em SC, o PSDB sequer disputou a urnas em 2018 com candidato a governador. A última e única vez foi com Paulo Bauer, em 2014: fez 1.026.722 milhão de votos contra 1.763.735 milhão de Raimundo Colombo.

Lunelli em Timbó

Depois de Joinville, onde foi palestrar a convite da Câmara de Dirigentes Lojistas, hoje (24) o prefeito Antidio Lunelli (MDB) vai a Timbó, no Vale do Itajaí, onde será recebido pela Associação Empresarial local. Estima-se que 100 empresários devam ouvir a pregação do prefeito de Jaraguá do Sul e pré-candidato ao governo do Estado.

Pé na estrada

Também a vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido) esteve em Joinville a convite da Câmara Setorial de Empreendedoras da CDL. Daniela botou o pé na estrada de olho em uma das 40 cadeiras da Assembleia Legislativa. Já em 2018 tinha a pretensão de se candidatar a deputada estadual, mas acabou convencida a ser vice de Carlos Moisés (sem partido).

 

Notícias relacionadas

x