Política

Vicente Caropreso critica e apela que governo federal reveja posição sobre vacinação

Na última terça-feira (1º), a Secom reproduziu a declaração do presidente Bolsonaro de que “ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”

03/09/2020

Por

Vicente Caropreso critica e apela que governo federal reveja posição sobre vacinação

“Minimiza a percepção do perigo e da gravidade da doença e alimenta a descrença no método de vacinação e na ciência”, afirmou o deputado Dr. Vicente Caropreso (PSDB) ao criticar a divulgação, feita pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, que a futura vacina contra a Covid-19 não será obrigatória no país.

Leia mais:

A crítica do deputado foi feita durante a sessão plenária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (2). Único médico entre os deputados, Dr. Vicente fez um apelo para que o governo federal reveja os termos colocados pela Secom em relação à vacinação.

“A flexibilização é perigosa perante uma situação de calamidade, não só brasileira, mas mundial, com repercussões não apenas sanitárias, mas com sequelas importantes na rotina de vida das pessoas e na economia, sobretudo em áreas importantes como a educação. A vacinação, quem sabe, será a solução de boa parte do problema que estamos vivendo nesta pandemia.”

O deputado também desconstruiu a alegação que a vacina é direito de escolha do cidadão garantido pela constituição. “É legal, mas é imoral ter esse direito de escolha. Essa pandemia só pode ser combatida de forma coletiva. Liberdade é um direito absoluto, mas a liberdade não pode colocar a vida do outro em risco. Não é uma questão de individualidade. É uma questão de saúde pública e deve ser entendida também como uma obrigação cívica. Essa pandemia já matou mais de 122 mil brasileiros”.

Entenda o caso
Na última terça-feira (1º), a Secom reproduziu a declaração do presidente Bolsonaro de que “ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”, acrescentando que “impor obrigações definitivamente não está nos planos”. A publicação foi feita em redes sociais.

Notícias relacionadas

x