Colunas

Deputados de SC dão péssimo exemplo no combate a pandemia

Imagens durante as sessões na Alesc mostram que parlamentares s não usam máscara, contrariando decreto do governo estadual

19/06/2020

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Deputados de SC dão péssimo exemplo no combate a pandemia

Deputados estaduais catarinenses dão péssimo exemplo ao não usarem máscaras quando circulam pelo prédio da Assembleia Legislativa, durante reuniões das comissões internas e mesmo nos debates e votações em plenário.

Ao ponto de levar o deputado Vicente Caro preso (PSDB) a protocolar um projeto de resolução para obriga-los ao procedimento. Que vergonha

Repasse de R$ 805 mil

Governo do Estado repassou R$ 805 mil para obras de recuperação de rodovias estaduais na região do Vale do Itapocu dentro do “Projeto Recuperar” em consórcio com municípios.

Comparado à necessidade atual, uma esmola, porque nem de longe esse valor é suficiente visto o estado do asfalto, totalmente deteriorado. Com destaque para o trecho entre Massaranduba e Guaramirim. Recentemente, andaram tapando buracos por ali, mas só os maiores. Sobre propalado projeto de duplicação, reina um silêncio de cemitério

Tornozeleiras eletrônicas

Um projeto de lei do deputado Felipe Estevão (PSL) determina que condenados a regimes aberto, semiaberto ou a medidas restritivas, paguem pelo uso de tornozeleiras eletrônicas porque o Estado não teria recursos para bancar a conta.

Até março último, 1.300 apenados eram monitorados eletronicamente, em convênio com uma empresa privada. O custo mensal com cada tornozeleira é de R$ 159.

Em contrapartida, cada preso recolhido no sistema prisional custa entre R$ 1,5 mil e R$ 3 mil aos cofres públicos, segundo o Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Aliás, em maio deste ano a empresa pediu 22% de reajuste, negado pelo Estado, que ofereceu pouco mais de 4%. Foi preciso a interferência do TJ para garantir a vigência do contrato até o fim do ano

Mudanças na Lei

A Câmara de Vereadores de Joinville aprovou uma mudança na chamada Lei da Dengue (lei municipal de 2015), permitindo multar diretamente os proprietários de imóveis relapsos no combate à doença.

A lei atual prevê, primeiro, uma notificação para que o infrator regularize a situação, sendo a multa aplicada numa segunda inspeção. E não é para menos.

Na primeira semana deste mês de junho já havia 4.849 casos confirmados pela Vigilância Epidemiológica do município.

A multa prevista pode chegar a R$ 3 mil, em casos de reincidência, e até dobrar se a situação persistir. Lamenta-se ser preciso uma lei que mexe com o bolso das pessoas para obrigar os cidadãos a uma autoproteção. Isso é patético!

Corte de Energia

A Agência Nacional de Energia Elétrica prorrogou a proibição de corte de energia até 31 de julho, incluindo baixa renda, além de serviços e atividades consideradas essenciais pela legisla- ção, como instituições

da área de saúde. Mas, se conselho serve, quem puder que pague a conta, porque depois a tesoura vai roncar. Com risco, até, de protesto em cartório.

Foto em Destaque: Bruno Collaço/ Divulgação

Notícias relacionadas

x