Geral

Empresa de Jaraguá do Sul aguarda liberação para fabricar respiradores pulmonares

A unidade tem capacidade de fabricar 400 equipamentos por dia

01/05/2020

Por

Empresa de Jaraguá do Sul aguarda liberação para fabricar respiradores pulmonares

Mais uma empresa de Jaraguá do Sul, a Bold, do ramo de acrílicos, com sede no bairro João Pessoa, está apta a fabricar ventiladores pulmonares, depois da autorização da Anvisa.

Sob a coordenação do Dr. Thales Baggio e participação dos demais membros da equipe de plantão do CTI do Hospital e Maternidade Jaraguá, o equipamento foi aprovado no teste clínico em paciente sob terapia intensiva.

O Ventilador Pulmonar Bold T-20 está pronto para ser fabricado, com capacidade para 400 ao dia. A equipe da empresa e parceiros no projeto, como a Solutron, o Dr. Thales Baggio, o Instituto Floresta – RS, Dr. Luciano Eiffler, equipe da MedicaBio e Laboratório Labelo PUC-RS, que voluntariamente auxiliaram os testes de bancada para a linha T-20 e posteriormente os testes clínicos em paciente em Jaraguá do Sul.

Leia mais:

Em nota, a empresa se diz preparada para iniciar a linha de produção com capacidade de fabricação de 400 ventiladores pulmonares por dia para combate ao coronavírus.

A linha T-20 de Ventiladores Pulmonares foi criada seguindo todas diretivas publicadas pelo MHRA (Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency – UK) e pela OMS para fabricação de Ventiladores Rápidos low cost para aplicação em pronto atendimento, atendimento de massa e transporte, maior demanda no combate à pandemia de Covid-19.

“Nossos laudos de bancada foram emitidos pelo reconhecido laboratório LABELO, subsidiado da PUC-RS e agora, com testes cínicos e relatórios médicos prontos e aprovados, somente dependemos da liberação da ANVISA para podermos iniciarmos a fabricação e fornecimento de 400 unidades/dia”, diz a empresa em nota.

Em vídeo publicado esta semana, o CEO da Bold, Ralf Sebold, fez um apelo para que a indústria nacional seja prestigiada nesse momento difícil para o mundo devido à crise da Covid-19 e também às entidades certificadoras para que a empresa possa iniciar a produção.

Notícias relacionadas

x