Estadual

Matriz aponta oito regiões em estado gravíssimo, sete em nível grave e uma com risco alto para Covid-19

Última vez que o estado tinha registrado uma região na cor amarela foi em 11 de novembro

27/01/2021

Por

Matriz aponta oito regiões em estado gravíssimo, sete em nível grave e uma com risco alto para Covid-19

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou nesta quarta-feira, 27, os dados da Matriz de Risco Potencial em relação ao novo coronavírus. Pela nova classificação, oito regiões do estado se encontram em nível gravíssimo (cor vermelha), sete regiões em nível grave (cor laranja) e uma região com nível alto (cor Amarela) de risco potencial para a Covid-19.

A última vez que o estado tinha registrado uma região em nível alto, cor amarela, foi no dia 11 de novembro, quando o Extremo Oeste foi classificado nessa situação.

Neste boletim, em comparação com a semana anterior, o Extremo Oeste passou de grave para o nível de maior atenção, enquanto o Extremo Sul saiu do patamar grave para o alto (amarelo). A Grande Florianópolis e Serra catarinense também apresentaram melhora e passaram de gravíssimo para grave. 

Leia mais:

Jaraguá do Sul tem 737 pessoas vacinadas

Perguntas e respostas: tire suas dúvidas sobre a vacinação contra a Covid-19 em SC

Polícia Militar salva cãozinho preso em caixa de transporte de moto em Guaramirim

Houve uma redução nos índices de transmissibilidade. Neste quesito, apenas a região do Médio Vale do Itajaí está em nível gravíssimo. Todas as outras se encontram em nível grave.

A capacidade de atenção, que mede o índice de ocupação de leitos, ainda segue preocupante em sete regiões que estão em nível gravíssimo, ao mesmo tempo as regiões do Extremo Sul, Carbonífera e Laguna foram classificadas no nível mais baixo, ou seja, moderado (cor azul).

“A região sul do estado tem registrado ocupações de leito de UTI inferiores a 70%, mas em outras localidades ainda há uma taxa superior a 80%. Em relação ao número de casos, houve uma redução de casos diagnosticados, o que pode indicar uma estabilidade. É preciso manter os cuidados e os regramentos sanitários”, afirma a epidemiologista Maria Cristina Willemann.

Participe do grupo de notícias do JDV no WhatsApp!

Notícias relacionadas

x