Colunas

Uma anônima no Senado

Viúva do ex-senador Luiz Henrique da Silveira (MDB), Ivete Appel da Silveira (MDB/Joinville compôs a chapa de Mello apenas para tentar captar votos de eleitores de LHS no maior colégio eleitoral de SC.

28/07/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

Uma anônima no Senado

 

Mello no Turismo

Senador Jorginho Mello (PL) está com um pé no Ministério do Turismo. Ontem (27), disse que aceitará o convite já feito a ele informalmente pelo deputado Eduardo Bolsonaro. Mello é amigo pessoal do presidente e da família dele.

O turismo é um dos setores mais abalados economicamente com a pandemia. O senador entra no lugar do pernambucano Gilson Machado, nomeado em dezembro de 2020. E alçado à pasta antes ocupada pelo mineiro Marcelo Álvaro Antônio.

Marketing de campanha

É puro marketing político, tudo combinado. Mello, defensor intransigente do presidente no Congresso e que terá em Santa Catarina apoio formal de JB na campanha para governador, vai para a vitrine blindado pelos Bolsonaro.

À frente do Turismo, ficará até abril do ano que vem, tempo suficiente para pôr em prática ações positivas voltadas ao setor e que podem se traduzir em votos. Sim, no frigir dos ovos o que interessa, mesmo, é o voto!  

Uma anônima no Senado

A primeira suplente de Jorginho Mello é Ivete Appel da Silveira (MDB/Joinville), que nunca disputou cargo eletivo. Viúva do ex-senador Luiz Henrique da Silveira (MDB), ela compôs a chapa de Mello apenas para tentar captar votos de eleitores de LHS no maior colégio eleitoral de SC.

Sua convivência com a política sempre foi restrita às atividades do marido. Pelo sim, pelo não, em 2018 Mello levou 93.714 mil votos de Joinville.

Inquérito em aberto

Governador Carlos Moisés (sem partido) não é mais investigado pelo Ministério Público no caso da compra fraudulenta dos 200 respiradores mecânicos ao custo de R$ 33 milhões, através da empresa Weigamed, que importaria o produto da China.

Mas o MP ainda não concluiu o inquérito sobre o caso denunciado em abril do ano passado e pediu mais prazo para indiciar ou não uma penca de envolvidos no negócio.  

Parques autorizados

Mesmo em plena pandemia da Covid 19, parques de diversão podem funcionar em Santa Catarina. É o que diz a Lei 18.161, de autoria do deputado Nilso Berlanda (PL) e sancionada pelo governador Carlos Moisés (sem partido). Desde que os estabelecimentos obedeçam às normas sanitárias e de segurança que serão especificadas em ato complementar do Executivo.

Pedágio com cartão

Agora é lei, mas ainda deve demorar um pouco para ser posta em prática: usuários de rodovias federais pedagiadas em Santa Catarina poderão pagar a taxa com cartão de débito ou crédito. As empresas concessionárias (são duas) que exploram pedágios na BR-101, por exemplo, entre Garuva e Passos de Torres, terão um tempo para disponibilizar o sistema.

Seja em guichês específicos ou não. A lei sancionada pelo governador Calos Moisés (sem partida) originou-se em projeto do deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT) aprovado pela Assembleia Legislativa.

 

Notícias relacionadas

x