Colunas

O primeiro govenador de SC eleito pelo MDB foi Pedro Ivo Campos (Joinville), em 1986

Depois, vieram Paulo Afonso Evangelista Vieira (1994) e Luiz Henrique da Silveira (2002 e 2006). LHS com dois mandatos consecutivos.

27/04/2021

Por

Nascido em Blumenau, 70 anos, 55 de profissão, incluindo passagens pelo rádio. E em jornais diários como A Notícia (Joinville), Jornal de Santa Catarina (Blumenau) e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul)

O primeiro govenador de SC eleito pelo MDB foi Pedro Ivo Campos (Joinville), em 1986

Os 55 anos do MDB

Neste dia 23 de abril que passou o MDB de Santa Catarina completou 55 anos de sua fundação, em 1966, dois anos depois da instalação do primeiro governo militar que instituiu o bipartidarismo, extinguindo todos os outros partidos políticos. O MDB de oposição ao regime, enquanto que a Aliança Renovador Nacional (Arena) surgiu como sigla governista. Hoje, o partido tem 96 prefeitos, 67 vices, 823 vereadores e mais de 187 mil filiados.

Três governadores eleitos

O primeiro governador de SC eleito pelo MDB foi Pedro Ivo Campos (Joinville), em 1986, um coronel do Exército. Abatido pelo câncer, morreu em março de 1990, treze meses antes de completar o mandato. Na foto ele aparece (ao centro) com o governador de São Paulo, Franco Montoro, e o deputado Tancredo Neves, que morreu antes da posse como presidente da República.

Os outros eleitos

Depois, vieram Paulo Afonso Evangelista Vieira (1994) e Luiz Henrique da Silveira (2002 e 2006). LHS com dois mandatos consecutivos. Atualmente o partido é presidido no Estado pelo deputado federal Celso Maldaner, um dos nomes que a Executiva do partido indicou à eleição majoritária de 2022, além do senador Dario Berger e o prefeito Antídio Lunelli.

Orçamento de R$ 34,5 bilhões

Governo do Estado estima um orçamento da ordem de 34,5 bilhões para 2022, cerca de R$ 3 bilhões a mais que o previsto para 2021. Porém, “com um elevado grau de incerteza e volatilidade”, alerta o secretário da Fazenda, Rogério Macanhão, como consequência da grave pandemia da Covid-19 que assola o país e o mundo, mantendo projeções conservadoras e com o equilíbrio necessário”.  Além de toda a máquina da administração direta, os números incluem gastos com a Assembleia Legislativa, Judiciário, Tribunal de Contas, Ministério Público e Universidade do Estado. Nos últimos dois anos, o Executivo tentou reduzir essas despesas, sem êxito.

Emendas têm R$ 260 milhões

O Executivo também manteve na proposta as emendas impositivas (o governo é obrigado a pagar) que cada deputado estadual terá direito de apresentar. Serão 100 emendas por parlamentar, com valor mínimo de R$ 100 mil cada, sendo 25%, no mínimo, para a saúde, 50% para a educação e 25% para outras áreas. Isso representará R$ 260 milhões para a política de varejo dos deputados com prefeitos e instituições, já visando a reeleição. Ou quase 1% da receita corrente líquida do Estado. O orçamento proposto também engloba obras previstas e outros gastos, como saúde, educação, segurança, entre outros.

 

Promessa de Daniela Reinher

Governadora interina Daniela Reinher (sem partido) vai a Blumenau esta semana.  Embaixo do braço uma relação de prioridades encaminhadas ao governo pelo prefeito Mário Hildebrandt (Podemos). Entre elas o prolongamento da Via Expressa, que dará novo traçado à SC-108 em trecho de 15kms. Obra que interessa diretamente à região do Vale do Itapocu, com demanda intensa de tráfego rumo ao município vizinho e à BR-470. E vice-versa. Ela prometeu que a obra será retomada no curto prazo. Aliás, ela mesma já disse que os cofres do Estado não são para guardar recursos, mas para garantir investimentos. Então…

Promessa de Carlos Moisés

 Neste caso- e menos mal – a obra também é promessa do governador afastado, Carlos Moisés (PSL) feita ainda em 2020, ano em que também ficou sem a cadeira de governador por cerca de um mês quando do episódio do primeiro impeachment contra ele (reajuste salarial dos procuradores do Estado). Pela compra dos 200 respiradores pulmonares, será julgado dia 7 de maio. Com quatro votos a favor, ele volta. Assim, e é o que se espera, com ela ou com ele a obra deve seguir. Como ocorre, felizmente, com a duplicação do trecho urbano da BR-280, de Guaramirim a Jaraguá.

Notícias relacionadas

x